Sodré GB Neto, Guilherme H Barros

Resumo:

A Psicomotricidade tem diversos benefícios para uma boa qualidade de vida , porém seus exercícios e atividades são impedidos de serem usados devido uma alta incidência de problemas de coluna prevalentes na população brasileira ;  o que demonstra falência do sistema médico de saúde devido , entre outros fatores, estar concentrado em tratar quase todas as coisas com medicamentos , negligenciando a educação postural e outras orientações fisioterápicas importantes, entre elas a técnica de quiropraxia de alinhamento de coluna, recentemente incluída no programa curricular brasileiro,  quase não existe na cultura brasileira (senão precariamente) , e os profissionais que a disponibilizam, em geral cobram valores acima da capacidade média do brasileiro.

Obetivos

Esclarecer dúvidas a respeito do tema, como também mostrar a relação da psicomotricidade com os problemas psicomotores que afligem a sociedade brasileira, super afetada pelos problemas de coluna, dando destaque a solução da quiropraxia , bem como avaliando as publicações cientificas a respeito.

Metodologia

Na elaboração deste, utilizamos pesquisa na internet, jornais, revistas científicas, observando aspectos epistemológicos da sabedoria milenar e lógica versus alguns conclusões consideradas cientificas na polêmica questão da quiropraxia.

Introdução

A Psicomotricidade contribui de maneira expressiva para formação do esquema corporal, o que facilita a orientação espacial. Ela deve ser entendida e compreendida em sua integridade, pois o nosso corpo está presente em todas as situações, e é através do movimento, que o ser humano participa do mundo manifestando suas intenções. Ela é usada para ajudar tratamentos em autistas[2][3], exercícios aquáticos evitam AVC, a morte e aumenta a qualidade de vida em pacientes idosos[4][5], muito recomendada para pacientes com doenças neurodegenerativas[6], tamanho são os seus beneficios para nossa saúde em geral.

Os diversos beneficios da psicomotricidade são conhecidos e foram destacados. Sua historia assim se resume:

” desde o início do século XX, com o neurologista Ernest Dupré, que destacou as relações entre anormalidades neurológicas e psíquicas com anormalidades motoras. Esse médico foi o primeiro a usar o termo “psicomotricidade” e a descrever distúrbios do desenvolvimento psicomotor como fraqueza motora. Mais tarde, na neuropsiquiatria infantil, suas ideias se desenvolveram com grande profusão. O psicólogo e pesquisador francês Henri Wallon observou as habilidades psicomotoras como a conexão entre o psíquico e o motor. Levantou a importância do movimento para o desenvolvimento da psique infantil e, portanto, para a construção de seu esquema e imagem corporal. De acordo com Wallon as habilidades psíquicas e motoras representam a expressão das relações do sujeito com o meio ambiente, e até mesmo diz:

“Nada na criança mais que seu corpo como uma expressão de sua psique.” H. Wallon, Obra

Julian de Ajuriaguerra e sua escola psicomotora desenvolvida no Hospital Henri Rousselle representam uma abordagem que enfatiza a relação do tônus ​​muscular com habilidades motoras. Segundo seus estudos, a análise dos processos de interação na família, na escola e na sociedade permitiria compreender que a doença mental, apesar das condições biológicas, é um processo que encontra seu significado no contexto das relações.

Contudo os problemas de coluna nos brasileiros apresentam números que envergonham o sistema de saúde nacional centralizado e submisso ao sistema medicamentoso que é quase totalmente paleativo para dores na coluna; enquanto isso, poderosas soluções ligadas a educação postural, exercícios musculares e quiropraxia, parecem estar ausentes da cultura brasileira .

Sobre especificamente quiropraxia que é o alinhamento da coluna desalinhada, torta , devido a várias causas que podem ser posturais, trabalho, cadeiras não ergométricas , falta de exercício, obesidade , colchões, travesseiros, falta de sabedoria a respeito de posturas melhores para dormir ensinados por profissionais especialistas em sonoterapia, acidentes , etc…, esta sabedoria milenar não pertence ainda aos brasileiros.

Como já dizia Confúcio “Os antigos nos roubaram nossas melhores ideias”, e milhares de anos depois desta obsrvação, ainda precisamos muito deles. Sabedorias milenares foram mais preservadas no mundo oriental que no mundo ocidental, onde se criou uma ditadura científica onde quaisquer afirmações milenares tiveram que ser testadas em ensaios clínicos e testes, (até de coisas óbvias) como uma manobra de alinhamento da coluna , para poder ser recomendada pela ciência, de forma que parece que diante de toda decepção iluminista com crenças da idade média, passaram usar a metodologia científica para testar tudo, sobretudo tratamentos de saúde, que passaram por grandes transformações no mundo , que era feitos de unguentos e chás e hoje são drogas sintéticas . Interessante que países onde mais se usa drogas sintéticas tiveram durante a pandemia em média 10 vezes mais que mortes por milhão em países caracterizados pelo uso de plantas medicinais, no caso as centenas de opções de anti-virais[7] . O ocidente foi jogando no lixo estas sabedorias milenares e até que as mesmas não fossem provadas, criou-se uma forte rejeição as mesmas .

Esta prática milenar tem numerosos praticantes e defensores , alguns países em suas “jurisdições, a quiropraxia está totalmente integrada nos sistemas de saúde públicos e financiados por seguros, em outras ela está fora e é considerada como um tratamento de saúde complementar ou alternativo”[8], contudo existe uma escassês de ensaios clínicos randomizados como ocorre com quaisquer produtos naturais, alternativos e que não representem retorno garantido para o altíssimo investimento ( acima de 300 milhões de dólares ) que ensaios clínicos representam . Poucos ensaios clínicos portanto foram feitos e poucas publicações [9], portanto existem trabalhos demonstrando por esta falta que os muitos beneficios da quiropraxia não sejam apoiadas por evidência científica. As técnicas de tratamento mais comuns consistem em terapias manuais, principalmente em manipulação vertebral, manipulação de outras articulações e manipulação de tecidos moles.[10] Os fundamentos desta prática são contestados por muitos papers que implicam até mesmo com termos como “subluxação vertebral” e a “inteligência inata”.[11][12][13][14][15]

Os beneficios da psicomotricidade

Fonseca (1987) salienta que a evolução da psicomotricidade deve ser perspectivada desde o desenvolvimento da motricidade fetal, que pode ocasionar alterações no desenvolvimento integral do recém-nascido. Com as sensações e os movimentos do corpo, fazendo experiência dos objetos, tocando-os, agarrando-os, mordendo-os, manipulando-os, ela provoca adaptações motoras e mentais que a ajudam a se mover de maneira expressiva, mímica e gestual; portanto, movendo-se melhor, a criança consegue adquirir novas adaptações pelas quais se torna capaz de fazer outros gestos, movimentando-se ainda melhor, num processo que não tem fim e no qual se enriquecem e desenvolvem as capacidades motoras e se estrutura a personalidade inteira

A psicomotricidade tem como objetivos encontrar os momentos de prazer e bem-estar no corpo próprio, através da construção de uma imagem corporal com o recurso às técnicas de relaxação e terapias expressivas. Estas últimas vão permitir que se reduzam os sintomas corporais, que são sinónimos da patologia, possibilitando a estruturação das emoções, de maneira a reafirmar-se a identidade e comunicação mais adequada (Carvalho & Rosa, 2007). É esta a razão que leva a afirmar-se que a psicomotricidade pode anteceder uma psicoterapia verbal, uma vez que o corpo transmite sentimentos, emoções, receios ou fragilidades que as palavras não revelam.

A relaxação tem como objetivo proporcionar ao indivíduo uma maior consciencialização do seu corpo enquanto partes e enquanto sistema global, facilitando desse modo o estabelecimento de uma relação interpessoal. As atividades ao nível da relaxação devem abranger a área da respiração, tonicidade, tempo e espaço, i.e., a respiração é importante na medida em que auxilia o autocontrolo; a tonicidade uma vez que é essencial a transmissão de sensações físicas através, por exemplo, de contrações; o tempo devido às alterações rítmicas da realização dos exercícios; e o espaço na medida em que pode ser alargado ou limitado, dependendo da necessidade ou não de contenção do indivíduo (Martins, 2001).

Os problemas de coluna nos brasileiros

De forma global os problemas relacionados a dor lombar e do pescoço foram assum resumidos: [16]

“Em 2015, lombalgia e dor no pescoço foram classificadas como a quarta principal causa de anos de vida ajustados por incapacidade (DALYs) globalmente, logo após a doença cardíaca isquêmica, doença cerebrovascular e infecção respiratória inferior {DALYs de dor lombar e pescoço [milhares]: 94 941,5 [Intervalo de incerteza de 95% (UI) 67 745,5–128 118,6]}. Em 2015, mais de meio bilhão de pessoas em todo o mundo tiveram dores lombares e mais de um terço de um bilhão tiveram dores no pescoço por mais de 3 meses. As dores lombares e cervicais são as principais causas de anos vividos com deficiência na maioria dos países e grupos etários. A prevalência e a incapacidade de dor lombar e cervical aumentaram acentuadamente nos últimos 25 anos e provavelmente aumentarão ainda mais com o envelhecimento da população. Os distúrbios da coluna vertebral devem ser priorizados para financiamento de pesquisas, dada a enorme e crescente carga global.”

No Brasil ” a prevalência de problema crônico de coluna no Brasil foi de 18,5%, sendo maior entre mulheres do que entre homens (21,1%; IC95%: 20,2-21,9). A idade média de início do problema crônico de coluna é 35 anos.”[17] “o Estudo Carga da Doença de 2010, realizado em 47 países, o problema crônico de coluna é a principal causa de anos perdidos por incapacidade.[18] “estudo transversal, de base populacional, com 1.128 mulheres com idade entre 20 e 69 anos e residentes na zona urbana de São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil; a dor lombar crônica foi avaliada a partir da presença de dor com duração mínima de três meses, e os fatores investigados incluíram aspectos socio demográficos, comportamentais e antropométricos. Os resultados indicaram uma prevalência de dor lombar crônica de 46,5% (IC95%: 43,6-49,4)”[19] “a dor nas costas é uma das principais queixas feita pelas pessoas que estão na faixa etária dos 30 aos 50 anos”[20] “A prevalência de lombalgia em caminhoneiros foi de 59%.”[21] Sobre a dor lombar , “”A prevalência de CLBP aumentou de 4,2% para 9,6% em 8 anos. Na maioria dos subgrupos estudados, a prevalência de CLBP pelo menos dobrou e o aumento foi ainda maior entre os indivíduos mais jovens, com mais anos de escolaridade e maior nível econômico”. Um estudo entre estudantes no Brasil relatou:[22]

“A prevalência de dor nas costas foi de 75,2%. As regiões tóraco-lombar (30,4%) e lombar (27,7%) da coluna vertebral foram as mais acometidas. Entre os estudantes com dor, 60,5% relataram a intensidade da dor de moderada a intensa e 21,2% relataram que a dor os impedia de realizar atividades de vida diária. Em relação aos fatores associados, a dor foi mais prevalente em alunos com sobrepeso / obesidade (RP = 1,246, IC 95%: 1,137 a 1,366), que relataram carregar mochila / bolsa escolar pesada (RP = 1,187, IC 95%: 1,073 a 1,314) e os que apresentavam postura incorreta ao pegar objetos do chão (RP = 1,138, IC 95%: 1,031 a 1,256)”.

A Quiropraxia como Opção Eficiente

A quiropraxia foi definida por DD Palmer como “uma ciência da cura sem drogas” ” produtividade da pesquisa está aumentando. Nossa pesquisa informal no Pubmed usando os termos de pesquisa “chiropractic OR chiropractor” revela um aumento de 54% nas publicações entre 2002 e 2016 (216 contra 401 publicações).”[23]

Em uma revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos randomizados, o tratamento manipulativo osteopático (OMT) para dor lombar mostrou tais resultados e conclusões a respeito:

“No geral, OMT reduziu significativamente a dor lombar (tamanho do efeito, -0,30; intervalo de confiança de 95%, -0,47 – -0,13; P = 0,001). As análises estratificadas demonstraram reduções significativas da dor em ensaios de OMT vs tratamento ativo ou controle com placebo e OMT vs nenhum controle de tratamento. Houve reduções significativas da dor com OMT, independentemente de os ensaios terem sido realizados no Reino Unido ou nos Estados Unidos. Reduções significativas da dor também foram observadas durante o acompanhamento de curto, médio e longo prazo. OMT reduz significativamente a dor lombar. O nível de redução da dor é maior do que o esperado apenas com os efeitos do placebo e persiste por pelo menos três meses. Pesquisas adicionais são necessárias para elucidar mecanicamente como a OMT exerce seus efeitos, para determinar se os benefícios da OMT são duradouros e para avaliar o custo-efetividade da OMT como um tratamento complementar para dor lombar.”

Num estudo comparando pacientes com dor lombar que receberam exercicios e quiropraxia concluiu que “a quiropraxia e os exercícios são eficazes na dor e na funcionalidade da dor lombar, e são mais eficazes quando aplicados em conjunto”.[24]

Outros estudos citam que “Foram encontrados apenas 6 ensaios clínicos controlados e aleatórios, investigando os efeitos da quiropraxia na dor cervical. Na maioria dos estudos as técnicas de manipulação promoveram o alívio de dor de maneira mais rápida e mais prolongada nos pacientes.”[25] Apesar de anatomicamente qualquer desvio da coluna gerar incômodos, dor e incapacidade, e consequente , seu alinhamento resultar em alívio e possível melhora das pessoas que mantiverem por meio da postura e exercícios (possível causa), indicar um bom prognóstico, confirmando esta sabedoria milenar, a maioria das publicações por mais que existam publicações que citem 100% de satisfação dos pacientes, são contrárias a quiropraxia no sentido de não haver “evidências” satisfatórias para considerá-la sequer uma ciência. É nestas horas que ligamos o alarme para tentar distinguir em quê estas pesquisas tem falhado tanto a ponto de declararem isto que demonstra ser contra toda lógica, conhecimento milenar e o mais simples dos raciocínios que declara instantaneamente interrupção da dor.

Fugindo toda lógica de que a coluna desalinhada precisa se alinhar, uma meta-análise consegue ainda alertar para perigos da quiropraxia (“litigios”) em função de haver poucas publicações nestas termos: [26]

“A qualidade da literatura publicada sobre a relação entre a manipulação quiroprática e CAD é muito baixa. Nossa análise mostra uma pequena associação entre a manipulação do pescoço quiropraxia e a dissecção da artéria cervical. Essa relação pode ser explicada pelo alto risco de viés e confusão nos estudos disponíveis e, em particular, pela conhecida associação de dor cervical com DAC e com manipulação quiroprática. Não há nenhuma evidência convincente para apoiar uma ligação causal entre a manipulação da Quiropraxia e CAD. A crença em um vínculo causal pode ter consequências negativas significativas, como vários episódios de litígio.”

Os artigos mais atuais tem reforçado a utilidade da quiropraxia para diversos beneficios como sua influência da manipulação da articulação sacroilíaca nas mudanças nos valores do centro de pressão no processo de manutenção do equilíbrio corporal estático[27] Por fim este grande estudo abaixo assim distingue a utilização da quiropraxia: [28]

“Manipulação ou mobilização da coluna lombar é recomendada (I), baixa confiança para selecionar o tratamento de dor lombar aguda ou subaguda, ou síndromes de dor radicular sem déficit neurológico, geralmente se necessário após o tratamento com AINEs, exercício direcional e aeróbio. A preferência do paciente é uma indicação para o uso precoce da manipulação. A manipulação também pode ser considerada para o tratamento de lombalgia aguda e grave concomitantemente com exercícios direcionais, exercícios aeróbicos e AINEs com o objetivo de melhorar o movimento e, com sorte, diminuir a dor e permitir exercícios mais eficientes. Melhorias objetivas devem ser mostradas aproximadamente na metade do esquema para continuar um curso de tratamento. Não há evidência de qualidade de que mais de 12 visitas sejam úteis para um episódio de lombalgia, portanto, a manipulação contínua não é indicada. Manipulação ou mobilização para alívio de curto prazo da dor crônica enquanto usado como um componente de um programa de exercícios ativos também é recomendada (C), baixa confiança. Embora “dor nas pernas” tenha sido incluída em alguns estudos, quase todos os pacientes excluídos com sintomas consistentes com ciática 589 e, essencialmente, todos eliminaram aqueles com déficits neurológicos. A manipulação não é recomendada (I), baixa confiança para o tratamento de síndromes de dor radicular com perda motora progressiva. A manipulação ou mobilização de regiões fora ou não adjacentes à área lombo-pélvica (por exemplo, coluna cervical, membros inferiores) ao tratar a dor lombar não é recomendada (I), alta confiança.”

Conclusão

A psicomotricidade é útil para diagnóstico infantil, para prevenção e correção de doenças motoras, para melhora da qualidade de vida de pacientes idosos e com doenças neurovegetativas, para melhora da qualidade de vida em geral , contudo seus beneficios impedidos no Brasil pela alta prevalência de dores na coluna devem nos chamar atenção para a fisioterapia incluindo quiropraxia como uma saída alternativa para suprir a falência do sistema atual de saúde brasileiro demonstrada em números alarmantes.

Referências

  1. Quispe Calero, María Alexandra (12 de junho de 2013). «La psicomotricidad y su incidencia en el desarrollo lógico matemático de los niños y niñas del primer año de educación básica del centro educativo “josé joaquín de olmedo del cantón ambato, provincia de tungurahua». Consultado em 29 de outubro de 2021 
  2. Cordeiro, Leilane Crislen; Silva, Diego da (13 de agosto de 2018). «A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE RELACIONAL NO DESENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA». Faculdade Sant’Ana em Revista (1). ISSN 2526-8023. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  3. Júnior, Sidney Lopes Sanchez; Souza, Patrícia Ferreira Concato de; Sanchez, Ester Gomes de Oliveira; Delamuta, Beatriz Haas (25 de setembro de 2019). «UMA REVISÃO ACERCA DO TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL». Ensino em Foco (5): 61–71. ISSN 2595-0479. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  4. Saquetto, Micheli B.; da Silva, Cássio M.; Martinez, Bruno P.; Sena, Cristiano da Conceição; Pontes, Sarah S.; da Paixão, Mayra T. C.; Gomes Neto, Mansueto (1 de novembro de 2019). «Water-Based Exercise on Functioning and Quality of Life in Poststroke Persons: A Systematic Review and Meta-Analysis». Journal of Stroke and Cerebrovascular Diseases (em inglês) (11). 104341 páginas. ISSN 1052-3057. doi:10.1016/j.jstrokecerebrovasdis.2019.104341. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  5. Santos, Sarah Lins dos; Soares, Maria Júlia Guimarães Oliveira; Ravagni, Eduardo; Costa, Marta Miriam Lopes; Fernandes, Maria das Graças Melo (2014). «Desempenho da marcha de idosos praticantes de psicomotricidade». Revista Brasileira de Enfermagem: 617–622. ISSN 0034-7167. doi:10.1590/0034-7167.2014670418. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  6. Freitas, Mariana Matias (2017). «A psicomotricidade no Campus Neurológico Sénior – implementação de um programa psicomotor nas doenças neurodegenerativas». Consultado em 29 de outubro de 2021 
  7. Neto, SGB, Sodré (1 de maio de 2021). «Why in India of Ayuverdic medicine we have 150 deaths per million and in Brazil Submissive to ANVISA PHARMACEUTICAL we have 1855 / M?». Jornal da Ciência. Consultado em 22 de outubro de 2021 
  8. Hartvigsen, Jan; French, Simon (2 de novembro de 2017). «What is chiropractic?». Chiropractic & Manual Therapies (1). 30 páginas. ISSN 2045-709X. PMC 5667038Acessível livremente. PMID 29118972. doi:10.1186/s12998-017-0163-x. Consultado em 22 de outubro de 2021 
  9. Thelwall, Mike (1 de outubro de 2021). «Alternative medicines worth researching? Citation analyses of acupuncture, chiropractic, homeopathy, and osteopathy 1996–2017». Scientometrics (em inglês) (10): 8731–8747. ISSN 1588-2861. doi:10.1007/s11192-021-04145-0. Consultado em 22 de outubro de 2021 
  10. Mootz RD, Shekelle PG (1997). «Content of practice». In: Cherkin DC, Mootz RD. Chiropractic in the United States: Training, Practice, and Research. Rockville, MD: Agency for Health Care Policy and Research. pp. 67–91. OCLC 39856366  AHCPR Pub No. 98-N002.
  11. Ernst E (maio de 2008). «Chiropractic: a critical evaluation». Journal of Pain and Symptom Management. 35 (5): 544–62. ISSN 0885-3924. PMID 18280103. doi:10.1016/j.jpainsymman.2007.07.004 
  12. Keating JC Jr (2005). «A brief history of the chiropractic profession». In: Haldeman S, Dagenais S, Budgell B, et al. Principles and Practice of Chiropractic 3rd ed. [S.l.]: McGraw-Hill. pp. 23–64. ISBN 0-07-137534-1 
  13. Singh, S; Ernst, E (2008). «The truth about chiropractic therapy». Trick or Treatment: The Undeniable Facts about Alternative Medicine. [S.l.]: W.W. Norton. pp. 145–90. ISBN 978-0-393-06661-6 
  14. «Chiropractic». NHS Choices. 20 de agosto de 2014. Consultado em 19 de setembro de 2016 
  15. Swanson ES (2015). «Pseudoscience». Science and Society: Understanding Scientific Methodology, Energy, Climate, and Sustainability. [S.l.]: Springer. p. 65. ISBN 978-3-319-21987-5 
  16. Hurwitz, Eric L.; Randhawa, Kristi; Yu, Hainan; Côté, Pierre; Haldeman, Scott (1 de setembro de 2018). «The Global Spine Care Initiative: a summary of the global burden of low back and neck pain studies». European Spine Journal (em inglês) (6): 796–801. ISSN 1432-0932. doi:10.1007/s00586-017-5432-9. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  17. Romero, Dalia Elena; Santana, Diego; Borges, Paulo; Marques, Aline; Castanheira, Débora; Rodrigues, Jéssica M.; Sabbadini, Leticia (1 de março de 2018). «Prevalência, fatores associados e limitações relacionados ao problema crônico de coluna entre adultos e idosos no Brasil». Cadernos de Saúde Pública. ISSN 0102-311X. doi:10.1590/0102-311X00012817. Consultado em 22 de outubro de 2021 
  18. Hoy, Damian; March, Lyn; Brooks, Peter; Blyth, Fiona; Woolf, Anthony; Bain, Christopher; Williams, Gail; Smith, Emma; Vos, Theo (1 de junho de 2014). «The global burden of low back pain: estimates from the Global Burden of Disease 2010 study». Annals of the Rheumatic Diseases (em inglês) (6): 968–974. ISSN 0003-4967. PMID 24665116. doi:10.1136/annrheumdis-2013-204428. Consultado em 22 de outubro de 2021 
  19. Hoy, Damian; March, Lyn; Brooks, Peter; Blyth, Fiona; Woolf, Anthony; Bain, Christopher; Williams, Gail; Smith, Emma; Vos, Theo (1 de junho de 2014). «The global burden of low back pain: estimates from the Global Burden of Disease 2010 study». Annals of the Rheumatic Diseases (em inglês) (6): 968–974. ISSN 0003-4967. PMID 24665116. doi:10.1136/annrheumdis-2013-204428. Consultado em 22 de outubro de 2021 
  20. Silva, Rodrigo Marcel Valentim da; Lima, Márcio Souza de; Costa, Fernando Henrique; Silva, Ana Carolina da (2012). «Efeitos da quiropraxia em pacientes com cervicalgia: revisão sistemática». Rev. dor: 71–74. Consultado em 22 de outubro de 2021 
  21. Andrusaitis, Silvia Ferreira; Oliveira, Reginaldo Perilo; Barros Filho, Tarcísio Eloy P. (2006). «Study of the prevalence and risk factors for low back pain in truck drivers in the state of São Paulo, Brazil». Clinics (em inglês): 503–510. ISSN 1807-5932. doi:10.1590/S1807-59322006000600003. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  22. Fonseca, Cíntia Detsch; Candotti, Cláudia Tarragô; Noll, Matias; Luz, Anna Maria Hecker; Santos, Antônio Cardoso dos; Corso, Carlos Otávio (2016). «Prevalence of back pain among high school students in a municipality in southern Brazil». Fisioterapia em Movimento (em inglês): 137–146. ISSN 1980-5918. doi:10.1590/0103-5150.029.001.AO15. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  23. Hartvigsen, Jan; French, Simon (2 de novembro de 2017). «What is chiropractic?». Chiropractic & Manual Therapies (1). 30 páginas. ISSN 2045-709X. PMC 5667038Acessível livremente. PMID 29118972. doi:10.1186/s12998-017-0163-x. Consultado em 22 de outubro de 2021 
  24. Ural, Fatma Gülçin; Öztürk, Gökhan Tuna; Dizdar, Dilek; Karabay, İlkay; Nazlıkul, Hüseyin (2021). «Evaluation of the effectiveness of chiropractic manual treatment in patients with chronic low back pain». Ankara Medical Journal (2): 250–260. ISSN 2148-4570. doi:10.5505/amj.2021.34545. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  25. Silva, Rodrigo Marcel Valentim da; Lima, Márcio Souza de; Costa, Fernando Henrique; Silva, Ana Carolina da (março de 2012). «Efeitos da quiropraxia em pacientes com cervicalgia: revisão sistemática». Revista Dor: 71–74. ISSN 1806-0013. doi:10.1590/S1806-00132012000100013. Consultado em 22 de outubro de 2021 
  26. Church, Ephraim W; Sieg, Emily P; Zalatimo, Omar; Hussain, Namath S; Glantz, Michael; Harbaugh, Robert E. «Systematic Review and Meta-analysis of Chiropractic Care and Cervical Artery Dissection: No Evidence for Causation». Cureus (2): e498. ISSN 2168-8184. PMC 4794386Acessível livremente. PMID 27014532. doi:10.7759/cureus.498. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  27. Posłuszny, Michał O.; Waszak, Małgorzata M. (1 de junho de 2021). «The Influence of Sacroiliac Joint Manipulation on Changes in the Values of the Center of Pressure in the Process of Maintaining Static Body Balance». Journal of Manipulative and Physiological Therapeutics (em inglês) (5): 408–419. ISSN 0161-4754. doi:10.1016/j.jmpt.2021.05.003. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  28. Hegmann, Kurt T.; Travis, Russell; Andersson, Gunnar B. J.; Belcourt, Roger M.; Carragee, Eugene J.; Donelson, Ronald; Eskay-Auerbach, Marjorie; Galper, Jill; Goertz, Michael (março de 2020). «Non-Invasive and Minimally Invasive Management of Low Back Disorders». Journal of Occupational and Environmental Medicine (em inglês) (3): e111. ISSN 1076-2752. doi:10.1097/JOM.0000000000001812. Consultado em 29 de outubro de 2021 

Código fonte da wikipedia devido a guerra de opiniões lá falando mal da quiropraxia sem se atualizarem cientificamente

Pessoal , sou editor do http://www.jornaldaciencia.com.br e acabo de publicar um artigo em defesa da quiropraxia https://posgenomica.wordpress.com/2021/10/29/10688/ Vim aqui na comunidade para solicitar ajuda para melhorar o artigo e para desabafar que estou tendo uma verdadeira guerra científica na wikipedia para defender a quiropraxia, https://pt.wikipedia.org/wiki/Quiropraxia e peço aos presentes que me ajudem , pois realmente muitas publicações cientificas falam mal, mas as mais recentes tem recomendado a quiropraxia e precisamos nos unir para que ninguem , sobretudo a wikipedia que é muito acessada, fale mal da quiropraxia que nos auxilia tanto.
Conto com vocês
Aqui está o ultimo código fonte que editei , para que caso algum editor desfaça a edição, haja como recuperar
CODIGO FONTE DA WIKIPEDIA está logo abaixo deste artigo caso precisem
Obrigado

[[Imagem:Daniel David Palmer.jpg|thumb|[[Daniel David Palmer]], criador da quiropraxia.]]”’Quiropraxia”’ ou ”’quiroprática”'<ref>{{Citar web|url=https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/quiropr%C3%A1tica|titulo=Definição ou significado de quiroprática no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa|acessodata=2018-12-09|obra=Infopédia – Dicionários Porto Editora|ultimo=Infopédia}}</ref> é uma forma de [[medicina alternativa]] para o diagnóstico e tratamento de condições do [[sistema músculo-esquelético]], principalmente da [[coluna vertebral]].<ref name=Chapman-Smith>{{citar livro|vauthors=Chapman-Smith DA, ((Cleveland CS III)) |capítulo= International status, standards, and education of the chiropractic profession|páginas=111–34|título= Principles and Practice of Chiropractic|edição=3rd|veditors=Haldeman S, Dagenais S, Budgell B |publicado=McGraw-Hill|ano=2005|isbn=0-07-137534-1|display-editors=etal}}</ref><ref name=Nelson /> Os proponentes defendem que alinhar a coluna beneficia o estado geral de saúde através da eliminação da dor, inflamação, desconforto gerando diversos bons efeitos devido trabalhar junto a medula e [[sistema nervoso]].<ref>{{Citar web |ultimo=Neto |primeiro=Sodré GB |url=https://posgenomica.wordpress.com/2021/10/29/10688/ |titulo=Jornal da Ciência |data=2021-10-29 |acessodata=2021-10-30 |website=Jornal da Ciência |lingua=pt-BR}}</ref><ref name=Nelson>{{citar periódico|vauthors=Nelson CF, Lawrence DJ, Triano JJ, Bronfort G, Perle SM, Metz RD, Hegetschweiler K, LaBrot T |título= Chiropractic as spine care: a model for the profession |periódico= Chiropr Osteopat | volume = 13 |número= 1 |página= 9 |ano= 2005 | pmid = 16000175 | pmc = 1185558 | doi = 10.1186/1746-1340-13-9 | url = http://chiroandosteo.com/content/13/1/9 |citação= The length, breadth, and depth of chiropractic clinical training do not support the claim of broad diagnostic competency required of a PCP. Studies of chiropractic intern clinical experience provides no evidence that chiropractors are trained to a level of a diagnostic generalist for non-musculoskeletal conditions. For chiropractors to describe themselves as PCP diagnosticians is to invite comparisons to other PC diagnosticians, i.e., family practitioners, pediatricians and internists. Such comparisons will not reflect favorably on chiropractic. ”PCP: primary care providers”}}</ref> Esta prática milenar tem numerosos praticantes, defensores e relatos de melhora em quase 100% dos que fazem uso , alguns países em suas “jurisdições, a quiropraxia está totalmente integrada nos sistemas de saúde públicos e financiados por seguros, em outras ela está fora e é considerada como um tratamento de saúde complementar ou alternativo”<ref>{{Citar periódico |url=https://doi.org/10.1186/s12998-017-0163-x |titulo=What is chiropractic? |data=2017-11-02 |acessodata=2021-10-22 |jornal=Chiropractic & Manual Therapies |número=1 |ultimo=Hartvigsen |primeiro=Jan |ultimo2=French |primeiro2=Simon |paginas=30 |doi=10.1186/s12998-017-0163-x |issn=2045-709X |pmc=5667038 |pmid=29118972}}</ref>. Em [[Portugal]] a quiropraxia está enquadrada no ordenamento jurídico como profissão da área da saúde através da [[portaria]] nº 2017-D/2014 de 8 de outubro, não existindo, no entanto, nenhuma formação na área no país.<ref>{{Citar web |ultimo=Santos |primeiro=Carolina |ultimo2=Santos |primeiro2=Carolina |url=https://observador.pt/2016/06/20/fisioterapia-ou-quiropratica-eis-a-questao-de-um-corpo-dorido/ |titulo=Fisioterapia ou quiroprática? Eis a questão de um corpo dorido |acessodata=2018-12-09 |obra=Observador}}</ref> contudo existe uma escassez de ensaios clínicos randomizados como ocorre com quaisquer produtos naturais, alternativos e que não representem retorno garantido para o altíssimo investimento ( acima de 300 milhões de dólares ) que ensaios clínicos representam . Poucos ensaios clínicos portanto foram feitos e poucas publicações <ref>{{Citar periódico |url=https://doi.org/10.1007/s11192-021-04145-0 |titulo=Alternative medicines worth researching? Citation analyses of acupuncture, chiropractic, homeopathy, and osteopathy 1996–2017 |data=2021-10-01 |acessodata=2021-10-22 |jornal=Scientometrics |número=10 |ultimo=Thelwall |primeiro=Mike |paginas=8731–8747 |lingua=en |doi=10.1007/s11192-021-04145-0 |issn=1588-2861}}</ref>, portanto existem trabalhos que alegam demonstrar , por esta falta, que os muitos beneficios da quiropraxia, que os pacientes relatam significativas melhoras”.<ref name=”Landmark” /> citam que não existem ou não sejam apoiados por [[evidência científica]]. As técnicas de tratamento mais comuns consistem em [[terapia manual|terapias manuais]], principalmente em [[manipulação vertebral]], manipulação de outras articulações e manipulação de [[Tecido mole|tecidos moles]].<ref name=”content-of-practice”>{{citar livro|capítulourl=http://chiroweb.com/archives/ahcpr/chapter3.htm|capítulo= Content of practice|vauthors=Mootz RD, Shekelle PG |ano=1997|título= Chiropractic in the United States: Training, Practice, and Research|páginas=67–91|veditors=Cherkin DC, Mootz RD |local= Rockville, MD|publicado= Agency for Health Care Policy and Research|oclc=39856366}} AHCPR Pub No. 98-N002.</ref> Os fundamentos desta prática são contestados por muitos papers que implicam até mesmo com termos como “subluxação vertebral” e a “inteligência inata”.<ref name=Ernst-eval/><ref name=History-PPC>{{citar livro|autor = [[Joseph C. Keating, Jr.|Keating JC Jr]]|capítulo= A brief history of the chiropractic profession|páginas=23–64|título= Principles and Practice of Chiropractic|edição=3rd|veditors = Haldeman S, Dagenais S, Budgell B |publicado=McGraw-Hill|ano=2005|isbn=0-07-137534-1|display-editors=etal}}</ref><ref name=Trick-or-Treatment>{{citar livro|páginas=145–90|capítulo=The truth about chiropractic therapy|título=Trick or Treatment: The Undeniable Facts about Alternative Medicine |último1 =Singh |primeiro1 =S |último2 =Ernst |primeiro2 =E |ano=2008|publicado=W.W. Norton|isbn=978-0-393-06661-6}}</ref><ref name=nhs-choices>{{citar web|url=http://www.nhs.uk/conditions/chiropractic/Pages/Introduction.aspx |título=Chiropractic |publicado=[[NHS Choices]] |data=20 de agosto de 2014 |acessodata=19 de setembro de 2016}}</ref><ref name=Swanson2015>{{citar livro|autor =Swanson ES |título=Science and Society: Understanding Scientific Methodology, Energy, Climate, and Sustainability |url=https://books.google.com/books?id=tQmhCgAAQBAJ&pg=PA65 |ano=2015 |publicado=Springer |isbn=978-3-319-21987-5 |página=65 |capítulo=Pseudoscience}}</ref>
== Uso na Medicina ==Assim resumiu este artigo citando metanálises:<ref>{{Citar periódico |url=https://doi.org/10.1186/s12998-017-0163-x |titulo=What is chiropractic? |data=2017-11-02 |acessodata=2021-11-10 |jornal=Chiropractic & Manual Therapies |número=1 |ultimo=Hartvigsen |primeiro=Jan |ultimo2=French |primeiro2=Simon |paginas=30 |doi=10.1186/s12998-017-0163-x |issn=2045-709X |pmc=5667038 |pmid=29118972}}</ref><blockquote>”Nossa pesquisa informal no Pubmed usando os termos de pesquisa “chiropractic OR chiropractor” revela um aumento de 54% nas publicações entre 2002 e 2016 (216 contra 401 publicações). Portanto, temos uma compreensão melhor do que nunca sobre a educação dos quiropráticos [ 7 , 8 ], os tipos de terapias usadas pelos quiropráticos [ 9 , 10 , 11], as condições tratadas por quiropráticos [ 10 , 11 , 12 , 13 ], a eficácia [ 14 , 15 , 16 ] e a relação custo-eficácia do tratamento quiroprático [ 17 , 18 ], segurança e efeitos colaterais do tratamento quiroprático [ 19 , 20 ], e configurações onde os quiropráticos funcionam sozinhos ou em colaboração com outros provedores de saúde [ 21 , 22 , 23] Apesar disso, ainda não há uma imagem clara do que compreende a profissão de Quiropraxia e como os quiropráticos contribuem para a saúde de pacientes individuais e populações.” </blockquote>

Têm sido realizados numerosos estudos clínicos controlados sobre os tratamentos usados por quiropráticos, com resultados contraditórios entre si.<ref name=”Ernst-eval” /> As [[Revisão sistemática|revisões sistemáticas]] da literatura não encontraram evidências de que a manipulação quiroprática seja eficaz, exceto talvez do tratamento para a [[lombalgia]].<ref name=”Ernst-eval”>{{citar periódico|autor = Ernst E |título= Chiropractic: a critical evaluation |periódico= Journal of Pain and Symptom Management | volume = 35 |número= 5 |páginas= 544–62 |data=maio de 2008 | pmid = 18280103 | doi = 10.1016/j.jpainsymman.2007.07.004 | issn = 0885-3924 }}</ref> Uma avaliação crítica da literatura verificou que, no seu conjunto, a manipulação vertebral não era eficaz no tratamento de qualquer condição.<ref name=”Posadzki-Ernst”>{{citar periódico|vauthors=Posadzki P, Ernst E |título= Spinal manipulation: an update of a systematic review of systematic reviews |periódico= N Z Med J | volume = 124 |número= 1340 |páginas= 55–71 |ano= 2011 | pmid = 21952385 }}</ref> Desconhece-se a eficácia e relação custo–eficácia dos cuidados quiropráticos.<ref name=”Leboeuf-Yde-C”>{{citar periódico|vauthors=Leboeuf-Yde C, Hestbaek L |título= Maintenance care in chiropractic&nbsp;– what do we know? |periódico= Chiropr Osteopat | volume = 16 |número= |página= 3 |ano= 2008 | pmid = 18466623 | pmc = 2396648 | doi = 10.1186/1746-1340-16-3 }}</ref> Embora a manipulação vertebral possa ter uma boa relação custo-eficácia para a lombalgia sub-aguda ou crónica, os resultados para lombalgia aguda são ainda insuficientes.<ref name=”Lin2011″>{{citar periódico|vauthors=Lin CW, Haas M, Maher CG, Machado LA, van Tulder MW |título= Cost-effectiveness of guideline-endorsed treatments for low back pain: a systematic review |periódico= European Spine Journal | volume = 20 |número= 7 |páginas= 1024–38 |ano= 2011 | pmid = 21229367 | pmc = 3176706 | doi = 10.1007/s00586-010-1676-3 }}</ref> Alguns alegam que não há dados suficientes que permitam determinar a segurança das manipulações quiropráticas.<ref name=”Gouveia”>{{citar periódico|vauthors=Gouveia LO, Castanho P, Ferreira JJ |título= Safety of chiropractic interventions: a systematic review |periódico= Spine | volume = 34 |número= 11 |páginas= E405–13 |ano= 2009 | pmid = 19444054 | doi = 10.1097/BRS.0b013e3181a16d63 | url= http://www.chiropratiquelasource.com/recherches/safety.pdf}}</ref> Estas manipulações estão frequentemente associadas com [[efeitos adversos]] ligeiros a moderados, sendo raros os casos de complicações graves ou fatais.<ref name=”Ernst-adverse”>{{citar periódico|autor = Ernst E |título= Adverse effects of spinal manipulation: a systematic review |periódico= [[:enJ R Soc Med|J R Soc Med]] | volume = 100 |número= 7 |páginas= 330–38 |ano= 2007 | pmid = 17606755 | pmc = 1905885 | doi = 10.1258/jrsm.100.7.330 | url = http://jrsm.rsmjournals.com/cgi/content/full/100/7/330 | laysummary = http://www.medicalnewstoday.com/articles/75754.php | laydate = 2007-07-02 | laysource = Med News Today |urlmorta= bot: unknown |arquivourl= https://web.archive.org/web/20100516074554/http://jrsm.rsmjournals.com/cgi/content/full/100/7/330 |arquivodata= 2010-05-16 | df = }}</ref> No entanto, existe alguma controvérsia sobre o grau de risco de [[dissecção da artéria vertebral]] por manipulação quiroprática, o que pode causar [[AVC]] e morte.<ref name=”Haynes”>{{citar periódico|vauthors=Haynes MJ, Vincent K, Fischhoff C, Bremner AP, Lanlo O, Hankey GJ |título= Assessing the risk of stroke from neck manipulation: a systematic review |periódico= International Journal of Clinical Practice | volume = 66 |número= 10 |páginas= 940–47 |ano= 2012 | pmid = 22994328 | pmc = 3506737 | doi = 10.1111/j.1742-1241.2012.03004.x | url = http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1742-1241.2012.03004.x/full }}</ref> Têm sido associados a esta técnica vários casos de morte<ref name=”Ernst-adverse” /> e tem sido sugerido que a relação é causal,<ref name=”Ernst-2010″>{{citar periódico|autor = Ernst E |título= Vascular accidents after neck manipulation: cause or coincidence? |periódico= Int J Clin Pract | volume = 64 |número= 6 |páginas= 673–77 |ano= 2010 | pmid = 20518945 | doi = 10.1111/j.1742-1241.2009.02237.x }}</ref><ref name=”Ernst-death” /> embora essa causalidade seja contestada por vários quiropráticos.<ref name=”Ernst-death”>{{citar periódico|autor = Ernst E |título= Deaths after chiropractic: a review of published cases |periódico= Int J Clinical Practice | volume = 64 |número= 8 |páginas= 1162–65 |ano= 2010 | pmid = 20642715 | doi = 10.1111/j.1742-1241.2010.02352.x | url= https://www.researchgate.net/publication/45273915 }}</ref>
De forma geral as publicações científicas mais recentes são favoráveis a quiropraxia recomendando-a nestes termos: <ref>{{Citar periódico |url=https://www.degruyter.com/document/doi/10.7556/jaoa.2016.107/html |titulo=American Osteopathic Association Guidelines for Osteopathic Manipulative Treatment (OMT) for Patients With Low Back Pain |data=2016-08-01 |acessodata=2021-10-30 |jornal=Journal of Osteopathic Medicine |número=8 |ultimo=Guidelines |primeiro=Task Force on the Low Back Pain Clinical Practice |paginas=536–549 |lingua=en |doi=10.7556/jaoa.2016.107 |issn=2702-3648}}</ref><blockquote>”A AOA acredita que os pacientes com dor lombar devem ser tratados com OMT dado o alto nível de evidência que suporta sua eficácia.”</blockquote>Estudos comparando exercícios e quiropraxia demonstraram que as duas modalidades aumentam a eficácia do tratamento: <ref>{{Citar livro|url=http://bibpurl.oclc.org/web/74265%20http://www.ankaramedicaljournal.com/|título=Ankara Medical Journal.|ultimo=Ankara Yıldırım Beyazıt Üniversitesi|ultimo2=Department of Family Medicine|data=2012|oclc=913713720}}</ref>
“a quiropraxia e os exercícios são eficazes na dor e na funcionalidade da dor lombar, e são mais eficazes quando aplicados em conjunto”
== Epidemiologia ==A quiropraxia é uma prática com significativa implantação em alguns países desenvolvidos<ref name=global-strategy>{{citar web|url=http://chiropracticdiplomatic.com/strategies/global_strategy.pdf |formato=PDF |título=Global professional strategy for chiropractic |autor =Tetrault M |publicado=Chiropractic Diplomatic Corps |ano=2004 |acessodata=2008-04-18 |urlmorta= sim|arquivourl=https://web.archive.org/web/20080625173624/http://chiropracticdiplomatic.com/strategies/global_strategy.pdf |arquivodata=2008-06-25 |df= }}</ref> e muitas vezes no contexto de outras técnicas manuais de terapia, como massagens, [[osteopatia]] e terapia física.<ref name=Norris>{{citar periódico|autor = Norris P|ano=2001|título= How ‘we’ are different from ‘them’: occupational boundary maintenance in the treatment of musculo-skeletal problems|periódico= Sociol Health Illn|volume=23|número=1|páginas=24–43|doi=10.1111/1467-9566.00239}}</ref> A maior parte da procura por tratamentos quiropráticos deve-se a [[dorsalgia]].<ref name=Hurwitz>{{citar periódico|vauthors=Hurwitz EL, Chiang LM |título= A comparative analysis of chiropractic and general practitioner patients in North America: findings from the joint Canada/United States Survey of Health, 2002-03 |periódico= BMC Health Serv Res | volume = 6 |página= 49 |ano= 2006 | pmc = 1458338 | doi = 10.1186/1472-6963-6-49 | pmid = 16600038 }}</ref> Os quiropráticos afirmam ser especialistas no tratamento de dores nas costas e do pescoço, embora muitos quiropráticos se proponham tratar outras condições para além do sistema músculo-esquelético.<ref name=Ernst-eval /> Muitos quiropráticos descrevem-se a si mesmos como prestadores de cuidados de saúde primários,<ref name=Ernst-eval/><ref name=CooperMcKee2003/> embora a formação de quiropraxia não contemple as exigências de tal classificação,<ref name=Nelson /> pelo que o seu papel é limitado e contestado.<ref name=Nelson /><ref name=CooperMcKee2003 /> Os quiropráticos dividem-se em dois grandes grupos: os que dão ênfase ao [[vitalismo]], à “inteligência inata” e que consideram as subluxações vertebrais a causa de todas as doenças, atualmente em minoria; e os que estão abertos a práticas de medicina convencional, como exercício físico, massagem ou terapia de gelo.<ref name=Kaptchuk-Eisenberg>{{citar periódico|vauthors=Kaptchuk TJ, Eisenberg DM |título=Chiropractic: origins, controversies, and contributions |periódico=Arch. Intern. Med. |volume=158 |número=20 |páginas=2215–24 |data=novembro de 1998 |pmid=9818801 |doi=10.1001/archinte.158.20.2215 |url=http://archinte.jamanetwork.com/article.aspx?volume=158&page=2215}}</ref>
== História ==A quiropraxia foi fundada na década de 1890 por [[Daniel David Palmer]],<ref name=”Martin” /> alegando que a tinha recebido de “outro mundo”.<ref name=”Religion”>{{Citar web |url=http://www.chiro.org/Plus/History/Persons/PalmerDD/PalmerDD’s_Religion-of-Chiro.pdf |título=D.D. Palmer’s Religion of Chiropractic |subtítulo=Letter from D.D. Palmer to P.W. Johnson, D.C., May 4, 1911.}}</ref> A prática foi desenvolvida pelo seu filho, [[Bartlett Joshua Palmer]], no início do século XX.<ref name=”Martin”>{{citar periódico|autor = Martin SC |título= Chiropractic and the social context of medical technology, 1895-1925 |periódico= Technol Cult | volume = 34 |número= 4 |páginas= 808–34 |data=outubro de 1993 | pmid = 11623404 | doi = 10.2307/3106416 | jstor = 3106416 }}</ref> Ao longo da sua história, a prática foi sempre controversa.<ref name=”DeVocht”>{{citar periódico|autor = DeVocht JW |título= History and overview of theories and methods of chiropractic: a counterpoint |periódico= Clin Orthop Relat Res | volume = 444 |páginas= 243–49 |ano= 2006 | pmid = 16523145 | doi = 10.1097/01.blo.0000203460.89887.8d }}</ref><ref name=”Homola”>{{citar periódico|autor = Homola S |título= Chiropractic: history and overview of theories and methods |periódico= Clin Orthop Relat Res | volume = 444 |páginas= 236–42 |ano= 2006 | pmid = 16446588 | doi = 10.1097/01.blo.0000200258.95865.87 }}</ref> Apesar das evidências incontestáveis de que a [[vacinação]] é uma intervenção eficaz de [[saúde pública]], existem entre os quiropráticos divergências significativas sobre o tópico,<ref name=”Busse”>{{citar periódico|vauthors=Busse JW, Morgan L, Campbell JB |título= Chiropractic antivaccination arguments |periódico= J Manipulative Physiol Ther | volume = 28 |número= 5 |páginas= 367–73 |ano= 2005 | pmid = 15965414 | doi = 10.1016/j.jmpt.2005.04.011 | url = http://jmptonline.org/article/S0161-4754(05)00111-9/fulltext }}</ref> o que contribui de forma negativa tanto para a saúde pública como para a aceitação dos quiropráticos pela comunidade médica.<ref name=”Campbell”>{{citar periódico|vauthors=Campbell JB, Busse JW, Injeyan HS |título= Chiropractors and vaccination: a historical perspective |periódico= Pediatrics | volume = 105 |número= 4 |página= e43 |ano= 2000 | pmid = 10742364 | doi = 10.1542/peds.105.4.e43 | url = http://pediatrics.aappublications.org/cgi/content/full/105/4/e43 }}</ref> Em 1966, a [[Associação Médica Americana]] classificou a quiropraxia como um “culto não científico”.<ref name=”Chiro-PH”>{{citar periódico|vauthors=Johnson C, Baird R, Dougherty PE, Globe G, Green BN, Haneline M, Hawk C, Injeyan HS, Killinger L, Kopansky-Giles D, Lisi AJ, Mior SA, Smith M |título= Chiropractic and public health: current state and future vision |periódico= J Manipulative Physiol Ther | volume = 31 |número= 6 |páginas= 397–410 |ano= 2008 | pmid = 18722194 | doi = 10.1016/j.jmpt.2008.07.001 }}</ref><ref name=”CooperMcKee2003″>{{citar periódico|vauthors=Cooper RA, McKee HJ |título= Chiropractic in the United States: trends and issues |periódico= Milbank Q | volume = 81 |número= 1 |páginas= 107–38, table of contents |ano= 2003 | pmid = 12669653 | pmc = 2690192 | doi = 10.1111/1468-0009.00040 }}</ref> No entanto, a quiropraxia possui membros organizados politicamente que têm lutado ativamente em prol da sua aceitação pública. Em décadas recentes, a prática tem obtido alguma aceitação entre médicos convencionais e entre seguradoras nos Estados Unidos.<ref name=”CooperMcKee2003″ />
Manuscritos chineses e gregos de 2700 a.C. e 1500 a.C. mencionam formas rudimentares de [[manipulação articular]] e manobras articulares nos membros inferiores do corpo humano a fim de aliviar dores lombares. [[Hipócrates]], “pai da medicina”, que viveu entre 460 a.C. a 377 a.C., publicou textos em que detalha: “adquira mais conhecimento sobre a [[Coluna vertebral]], pois é a origem de muitas doenças”.<ref name=”AcA”><cite style=”font-style:normal”>The American Chiropractic Association. [http://acatoday.net/level2_css.cfm?T1ID=13&T2ID=62 “History of Chiropractic Care”]. ”The American Chiropractic Association”: preprint.</cite></ref>
A Quiropraxia hoje está entre as quatro maiores profissões na área de saúde{{Carece de fontes|data=junho de 2017}}, junto com a [[Medicina]], [[Biomedicina]] e [[Odontologia]], nos países desenvolvidos. No Brasil existem duas Universidades com graduação em Quiropraxia, ambas particulares.
Sua organização e fundação foi realizada por Daniel David Palmer, em ”Davenport, [[Iowa]]” nos [[Estados Unidos da América]] no ano de 1895,<ref name=”AcA”><cite style=”font-style:normal”>The American Chiropractic Association. [http://acatoday.net/level2_css.cfm?T1ID=13&T2ID=62 “History of Chiropractic Care”]. ”The American Chiropractic Association”<nowiki>:</nowiki> preprint.</cite></ref><ref name=”Getterman”>GATTERMAM, M.I. ”Foundations of Chiropractic – Subluxation”, 1995, Ed. Mosby, St. Louis, EUA</ref>Dr. Palmer foi autodidata, assíduo leitor de jornais científicos de sua época, especialmente os que abordavam [[Anatomia Humana]] e [[Fisiologia Humana]], adquirindo um excelente conhecimento sobre [[saúde]] e [[Medicina]] de sua época{{Carece de fontes|data=junho de 2017}}. Em 1897 foi fundada a ”Palmer School of Chiropractic”, a primeira escola de Quiropraxia no mundo; atualmente é uma faculdade conhecida por ”Palmer Chiropractic College” e estabelecida em ”Davenport, [[Iowa]]” nos [[Estados Unidos da América]].<ref>{{Citar web |url=https://www.acatoday.org/ |titulo=Home |acessodata=2021-10-30 |website=American Chiropractic Association |lingua=en-US}}</ref>
No ano de 1948 a Quiropraxia era definida da seguinte maneira: ”a Quiropraxia é uma filosofia, ciência e arte de eventos naturais; um sistema de ajustamentos de segmentos da coluna vertebral utilizando somente as mãos, para correção das causas das doenças”.<ref name=”Stephenson”>STEPHENSON, R.W. ”Chiropractic – Text Book”, 1948, Palmer School of Chiropractic, Davenport, Iowa, EUA</ref> A ausência do conceito com amparo científico era normal até a década de 50 do século XX pois havia uma certa limitação na produção científica nos primórdios da especialização, como pode ser observada na mudança da duração do curso oferecido pela ”Palmer School of Chiropractic” que até o ano de 1949 era de 18 meses de duração, passando para 4 anos de ensino.
A partir de então, observa-se um crescimento significativo com relação ao número de profissionais, à qualidade do ensino, à pesquisa científica, ao número de faculdades e à internacionalização da profissão.<ref name=”Wardwell”>WARDWELL, W.I. ”Chiropractic – History and Evolution of a New Profession”, 1992, Ed. Mosby, St. Louis – EUA</ref> Atualmente a Quiropraxia é estabelecida em mais de 60 países, havendo aproximadamente 100 mil profissionais no mundo, dos quais 69% encontram-se em território [[Estados Unidos|norte-americano]]. Estima-se que no ano de 2010 existirão mais de 150 mil [[quiropraxistas]] em todo o mundo.<ref name=”Chapman”>CHAPMAN-SMITH, D.”Quiropraxia – Uma Profissão na Área da Saúde”, 2001, Ed. Anhembi Morumbi, São Paulo – Brasil</ref><ref name=”NBCE”><cite style=”font-style:normal”>National Board of Chiropractic Examiners. [http://www.nbce.org/publications/pub_analysis_chap.html “Job Analisys of Chiropractic – 2005″]. ”NBCE”: preprint.</cite></ref>
Em 1963 criou-se o Conselho Nacional de Examinadores de Quiropraxia (NBCE sigla em inglês) nos [[Estados Unidos da América]], com objetivo de promover consistência e reciprocidade entre os conselhos de examinadores dos estados associados. O NBCE zela pela excelência da profissão, promovendo a análise dos profissionais, faculdades e associações de Quiropraxia nos [[EUA]].<ref name=”NBCE2″><cite style=”font-style:normal”>National Board of Chiropractic Examiners. [http://www.nbce.org/about/about.html “About the NBCE”]. ”NBCE”: preprint.</cite></ref>
No ano de 1988 foi fundada a Federação Mundial de Quiropraxia (WFC sigla em inglês), tendo como membros associados 70 associações de diversos países que, em 1997.<ref name=”Chapman” />
No ano de 2005 houve um encontro entre [[Quiropraxistas]] e outros profissionais da [[saúde]] promovido pela OMS na província da [[Lombardia]], [[Itália]], a fim de formar um documento que preconiza a prática da profissão, onde nasceu o ”WHO guidelines on basic training and safety in Chiropractic”, servindo como base para regulamentação da profissão em países membros da ”WHO”, como é o caso do [[Brasil]].<ref name=”who”><cite style=”font-style:normal”>World Health Organization. [http://whqlibdoc.who.int/publications/2006/9241593717_eng.pdf “WHO guidelines on basic training and safety in Chiropractic”] {{Wayback|url=http://whqlibdoc.who.int/publications/2006/9241593717_eng.pdf|date=20120710224447}}. ”Chiropractic Guidelines”: preprint.</cite></ref>
== Técnicas ==A atuação do quiropraxista está no [[sistema neuro-músculo-esquelético]]. Os principais acometimentos tratados pela Quiropraxia são:<ref name=”ABQ”><cite style=”font-style:normal”>ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE QUIROPRAXIA,. [http://www.quiropraxia.org.br/faqs/faqs.html#3 “Quais os principais problemas tratados com Quiropraxia?”]. ”Associação Brasileira de Quiropraxia”<nowiki>:</nowiki> preprint.</cite></ref>
* Dores na [[coluna lombar]]* [[Hérnia de disco]] e [[dor ciática]]* Dores no pescoço* Dores e tensão muscular* Problemas nas articulações do [[ombro]], [[cotovelo]], [[punho]], [[joelho]], [[tornozelo]]* Restrições a movimentações* [[DORT]]/[[LER]]* [[Lombalgia]]-Um estudo conduzido pelo médico T.W. Meade, publicado no ”British Medical Journal”, concluiu, após dois anos de acompanhamento dos pacientes, que “para pacientes com dor na coluna lombar, para os quais não haja contra-indicação quanto à manipulação articular, a Quiropraxia praticamente garante benefícios compensadores e de longa duração, em comparação aos tratamentos hospitalares ambulatoriais oferecidos a pacientes”.<ref name=”BMJ1″><cite style=”font-style:normal”>MEADE, T.W.,DYER,S.,BROWNE,W.,TOWSEND,J.,FRANK,A.O.. [http://www.bmj.com/cgi/content/abstract/311/7001/349?maxtoshow=&HITS=10&hits=10&RESULTFORMAT=&fulltext=low+back+pain+mechanical+origin&searchid=1&FIRSTINDEX=0&resourcetype=HWCIT “Randomised comparison of chiropractic and hospital outpatient management for low back pain: results from extended follow up”]. ”British Medical Journal 300, no.6737:1431-1437”<nowiki>:</nowiki> preprint.</cite></ref>
* [[Cervicalgia]]-[[Médico]]s e [[Quiropraxista]]s da Corporação RAND e de várias outras institutições acadêmicas, realizaram uma revisão de literatura sobre o tratamentos para dor cervical. Os autores concluíram que a [[manipulação articular]] é mais eficaz de que a mobilização ou tratamento fisioterápico de alguns casos de dor cervical subaguda ou crônica e perceberam que “”todos os três tratamentos são provavelmente superiores ao tratamento médico””.<ref name=”Spine1″><cite style=”font-style:normal”>HURWITZ,E.L., AKER,P.D.,ADAMS,A.H.,MEEKER,W.C.,SHEKELLE,P.G.,. [http://www.spinejournal.com/pt/re/spine/abstract.00007632-199608010-00007.htm;jsessionid=LThcnZs5lPdjwWMP53XtyNdVhV71v3gkNx7QQVJYMpWW3VGXkf2C!-859253161!181195629!8091!-1?index=21&database=ppvovft&results=1&count=10&searchid=1&nav=search “Manipulation and Mobilization of the Cervical Spine: A Systematic Review of the Literature.”]. ”Spine. 21(15):1746-1759, August 1, 1996.”<nowiki>:</nowiki> preprint.</cite></ref>
* [[Dor de Cabeça]] -Boline ”e cols” conduziram um estudo, no ano de 1995, randomizando, comparando a [[manipulação articular]] da coluna com a medicação para dor ([[amitriptilina]]) no tratamento de [[cefaleia tensional]]. Os autores concluíram que os [[analgésicos]] tem eficácia de curta duração e apresentam efeitos colaterais, enquanto “quatro semanas após a conclusão da intervenção, o grupo que sofreu manipulação da coluna demonstrou redução de 32% na intensidade da dor de [[cabeça]], 30% no uso do [[medicamento]] simples, e 16% de melhora funcional da [[saúde]], como um todo. O grupo que recebeu a terapia por amitriptilina não demonstrou melhora alguma, tendo apresentado, inclusive, uma piora sutil”.<ref name=”JMPT1″><cite style=”font-style:normal”>BOLINE,P.D.,KASSAK,K.,BRONFORT,G.,NELSON,C.,ANDERSON,A.V.,. “Spinal Manipulation vs Amitriptyline for the Treatment of Chronic Tension-Type Headaches: A Randomized Clinical Trial.”. ”Journal of Manipulative and Physiological Therapeutics 18, no. 3:148-150, 1995”.</cite></ref>
* Satisfação ao Tratamento Quiroprático -Um estudo de 1998 relatou que a Quiropraxia é o tratamento não [[médico]] mais frequentemente usado nos [[EUA]] e proporciona alta satisfação aos seus usuários: “”Praticamente todos os pacientes tratados por um [[quiropraxista]] declaram-se satisfeito com o seu tratamento; três quartos (73%) declaram-se ‘muito satisfeito’ e 23% declaram-se ‘razoavelmente satisfeito’ ””.<ref name=”Landmark”><cite style=”font-style:normal”>LANDMARK HEATHCARE, inc. 1998. [http://www.landmarkhealthcare.com/pdfs/TIR2Summary.pdf “The Landmark Report II on HMOs and Alternative Care”]. ”Landmark Heathcare, Inc. Sacramento, CA.”<nowiki>:</nowiki> preprint.</cite></ref><blockquote>”Quiropraxia foi o método mais popular mencionado, seguido por massoterapia, terapias ou suplementos com ervas e acupuntura. Os resultados da pesquisa mostram que mais de 50% dos usuários do CAM procuram esse atendimento porque acreditam que o CAM combinado com o atendimento médico convencional seria útil, sugerindo que o CAM não substitui o atendimento convencional. Três em cada 10 usuários CAM acreditam que o tratamento convencional por si só não seria eficaz para sua condição [ 3] e mais de seis em cada 10 dos pacientes com CAM não contam a seus médicos sobre o uso de CAM [ 8 , 9 ] e os usuários de CAM e tratamento convencional para problemas nas costas ou pescoço perceberam o CAM como mais útil do que o tratamento convencional [ 9 ].”<ref>{{Citar periódico |url=https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1458338/ |titulo=A comparative analysis of chiropractic and general practitioner patients in North America: Findings from the joint Canada/United States survey of health, 2002–03 |data=2006-04-06 |acessodata=2021-10-22 |jornal=BMC Health Services Research |ultimo=Hurwitz |primeiro=Eric L |ultimo2=Chiang |primeiro2=Lu-May |paginas=49 |doi=10.1186/1472-6963-6-49 |issn=1472-6963 |pmc=1458338 |pmid=16600038}}</ref></blockquote>
== No Brasil ==No Brasil, a quiropraxia não é regulamentada por lei,<ref name=”:0″>{{Citar web|titulo=Inteiro Teor (4052852)|url=http://web.trf3.jus.br/acordaos/Acordao/BuscarDocumentoGedpro/4052852|obra=web.trf3.jus.br|acessodata=2019-01-28}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=CBO – Listagem das Profissões Regulamentadas: normas regulamentadoras – 4.0.13|url=http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/regulamentacao.jsf|obra=www.mtecbo.gov.br|acessodata=2019-01-28}}</ref> mas é reconhecida como ocupação pelo [[Ministério do Trabalho (Brasil)|Ministério do Trabalho]], assim como mais de 2.600 outras ocupações no país.<ref>{{Citar web|url=http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2017/03/ministerio-do-trabalho-reconhece-21-novas-ocupacoes-profissionais|obra=www.brasil.gov.br|acessodata=2019-01-28}}</ref> A [[Classificação Brasileira de Ocupações]] reconhece 3 tipos de profissionais:
* Técnicos em quiropraxia (anteriormente denominados “Quiropatas” pelo CBO 0-79.45, em 1994; e “Quiropraxistas” em 2002), desde 2008 (CBO 3221-15);<ref>{{Citar web|titulo=CBO 322115 – Tecnico em quiropraxia – CBO – Classificação Brasileira de Ocupações|url=http://cbo.tellesecosta.com.br/cbo/322115/tecnico-em-quiropraxia|obra=cbo.tellesecosta.com.br|acessodata=2019-01-28}}</ref>* Fisioterapeutas Quiropraxistas desde 2008 (CBO 2236-45);<ref>{{Citar web|titulo=CBO|url=https://www.coffito.gov.br/nsite/?page_id=2348|obra=www.coffito.gov.br|acessodata=2019-01-28}}</ref> e* Quiropraxistas (com formação de nível superior) desde 2013 (CBO 2261-05).<ref>{{Citar web|titulo=CBO – CBO – 4.0.13|url=http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/home.jsf|obra=www.mtecbo.gov.br|acessodata=2019-01-28}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=Associação Brasileira de Quiropraxia|url=https://www.quiropraxia.org.br/noticias/a-associacao-brasileira-de-quiropraxia-amparada-pela-justica-esclarece-|obra=www.quiropraxia.org.br|acessodata=2019-01-28}}</ref>
Existem, atualmente, dois [[Projeto de lei|Projetos de Lei]] que visam a regulamentação da profissão no Brasil: PL 114/2015<ref>{{citar web|url=https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1697423&filename=Tramitacao-PL+114/2015|titulo=Regulamenta o exercício da profissão de Quiropraxista.|data=2015|acessodata=28 de Janeiro de 2019|publicado=|ultimo=|primeiro=BRASIL}}</ref> e PLS 599/2011.<ref>{{Citar web|titulo=Projeto de Lei do Senado n° 599, de 2011 – Pesquisas – Senado Federal|url=https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/102534|obra=www25.senado.leg.br|acessodata=2019-01-28}}</ref> Enquanto não há regulamentação da profissão, a [[Constituição brasileira de 1988|Constituição Brasileira de 88]], no Artigo 5o., inciso XIII, assegura: “é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer”.<ref>{{Citar web|titulo=Constituição|url=http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm|obra=www.planalto.gov.br|acessodata=2019-01-28}}</ref> Ou seja, na atual ausência de lei que regulamente a profissão e estabeleça qualificações profissionais mínimas, qualquer cidadão brasileiro pode exercer a ocupação.
Diante dessa situação, a quiropraxia brasileira tem sido objeto de discussão entre diferentes grupos profissionais: pessoas sem educação formal em quiropraxia, técnicos, fisioterapeutas, enfermeiros e bacharéis em quiropraxia. A história da quiropraxia brasileira já conta com vários processos jurídicos entre esses grupos profissionais.<ref name=”:0″ /><ref name=”:1″>{{Citar web|titulo=STJ 2/06/2016 – Pg. 3211 {{!}} Superior Tribunal de Justiça {{!}} Diários Jusbrasil|url=https://www.jusbrasil.com.br/diarios/117116201/stj-02-06-2016-pg-3211?ref=topic_feed|obra=Jusbrasil|acessodata=2019-01-28}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=Conselho de uma profissão não pode fiscalizar atuação de outra atividade|url=http://www.conjur.com.br/2015-jan-07/conselho-profissao-nao-fiscalizar-atuacao-outra|obra=Consultor Jurídico|acessodata=2019-01-28}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=DJSP 14/12/2018 – Pg. 2642 – Judicial – 1ª instância – capital {{!}} Diário de Justiça do Estado de São Paulo {{!}} Diários Jusbrasil|url=https://www.jusbrasil.com.br/diarios/documentos/659078069/andamento-do-processo-n-1007087-8820178260003-cumprimento-de-sentenca-valor-da-execucao-calculo-atualizacao-14-12-2018-do-tjsp?ref=topic_feed|obra=Jusbrasil|acessodata=2019-01-28}}</ref>
Técnicos em Quiropraxia são representados pela Associação Nacional de Quiropraxia (ANQ), fundada em 1988.<ref>{{Citar web|titulo=Sobre a ANQ {{!}}|url=http://anq.org.br/sobre-a-anq/|acessodata=2019-01-28}}</ref> Preconizam uma formação de nível técnico com aproximadamente 480 horas.<ref>{{Citar web|titulo=IBRAQUI|url=http://www.ibraqui.com.br/cursos.detalhes.php?id=3|obra=www.ibraqui.com.br|acessodata=2019-01-28}}</ref> Atualmente, a ANQ possui 61 profissionais listados em seu website.<ref>{{Citar web|titulo=Encontre um Quiropraxista {{!}}|url=http://anq.org.br/encontre-um-quiropraxista/|acessodata=2019-01-28}}</ref>
Fisioterapeutas e enfermeiros são representados pelos seus conselhos (Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – COFFITO – e [[Conselho Federal de Enfermagem]] – COFEN, respectivamente). Ambas as profissões emitiram resoluções que reconhecem a quiropraxia como especialidade e que foram, posteriormente, consideradas ilegais no sistema judiciário brasileiro. O COFFITO reconheceu a quiropraxia como especialidade do fisioterapeuta através da resolução 220/2001 exigindo carga horária mínima de 1500 horas.<ref>{{Citar web|titulo=RESOLUÇÃO Nº. 220 DE 23 DE MAIO DE 2001 – Dispõe sobre o reconhecimento da Quiropraxia e da Osteopatia como especialidades do profissional Fisioterapeuta e dá outras providências.|url=https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=2978|obra=www.coffito.gov.br|acessodata=2019-01-28}}</ref> Essa resolução foi considerada ilegal no Recurso Especial Nº 1.586.667 – SP (2016/0056688-3) do COFFITO.<ref name=”:0″ /><ref name=”:1″ /> A Resolução nº 399 de 03 de agosto de 2011 disciplina a mesma especialidade, sem especificação de carga horária mínima.<ref>{{Citar web|titulo=RESOLUÇÃO N°. 399/2011 – Disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia em Quiropraxia e dá outras providências.|url=https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3162|obra=www.coffito.gov.br|acessodata=2019-01-28}}</ref> Atualmente, a Associação Nacional de Fisioterapia em Quiropraxia e Manipulativa (ANAFIQ, fundada em 2013) representa os profissionais fisioterapeutas quiropraxistas e possui 1964 profissionais listados no Brasil, com formações que variam de 15 a 1500 horas/aula;<ref>{{Citar web|titulo=Buscas – ANAFIQ|url=http://www.sogab.com.br/anafiq2016/buscas/|acessodata=2019-01-28}}</ref> o COFEN reconheceu a quiropraxia como especialidade do enfermeiro através da resolução 197/1997 exigindo carga horária mínima de 360 horas.<ref>{{Citar web|titulo=RESOLUÇÃO COFEN-197/1997|url=http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-1971997_4253.html|obra=Cofen – Conselho Federal de Enfermagem|acessodata=2019-01-28}}</ref> Essa resolução foi revogada pela resolução 0500/2015, após mandado de intimação expedido pelo Juízo da 14ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal em 23 de novembro de 2015.<ref>{{Citar web|titulo=RESOLUÇÃO COFEN Nº 0500/2015|url=http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05002015_36848.html|obra=Cofen – Conselho Federal de Enfermagem|acessodata=2019-01-28}}</ref> Atualmente a AFQ – Associação dos fisioterapeutas Quiropraxistas representa os profissionais fisioterapeutas quiropraxistas perante o COFFITO e atualmente é responsável pela prova de títulos.<ref>{{Citar web|titulo=COFFITO e AFQ firmam convênio|url=https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=10697}}</ref>
Os bacharéis em quiropraxia do país são representados pela Associação Brasileira de Quiropraxia (ABQ), fundada em 1992.<ref>{{Citar web|titulo=Associação Brasileira de Quiropraxia {{!}} Nossa História|url=http://associacaoquiropraxia.org.br/historia/|acessodata=2019-01-28}}</ref> Defendem que a quiropraxia no Brasil deve seguir os mesmos padrões de educação e prática presentes no resto do mundo, com uma educação de nível superior de no mínimo 4 anos, totalizando mais de 4000 horas, sendo uma profissão independente.<ref>{{Citar web|titulo=Associação Brasileira de Quiropraxia|url=https://www.quiropraxia.org.br/noticias/diretrizes-da-oms|obra=www.quiropraxia.org.br|acessodata=2019-01-28}}</ref> Essas exigências mínimas são as mesmas recomendadas pela [[Organização Mundial da Saúde]] (OMS)<ref>Organização Mundial da Saúde. ”’WHO guidelines on basic training and safety in chiropractic”’. Suíça. 2005. Disponível em: <https://www.who.int/medicines/areas/traditional/Chiro-Guidelines.pdf&gt;. Acesso em 28 de Janeiro de 2019.</ref> e seguidas pela Federação Mundial de Quiropraxia ([[:en:World_Federation_of_Chiropractic|WFC]] – ”Sigla em Inglês”),<ref>{{Citar web|titulo=Facts on Chiropractic|url=https://www.wfc.org/website/index.php?option=com_content&view=article&id=122&Itemid=138&lang=en|obra=www.wfc.org|acessodata=2019-01-28}}</ref> com quem mantém relações oficiais.<ref>{{citar periódico|ultimo=Maiers|primeiro=Michele|data=2018|titulo=Chiropractic in Global Health and wellbeing: a white paper describing the public health agenda of the World Federation of Chiropractic|url=https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6048707/pdf/12998_2018_Article_194.pdf|jornal=Chiropractic & Manual Therapies|acessodata=28 de Janeiro de 2019}}</ref> No Brasil, os cursos de bacharelado em Quiropraxia seguem essas recomendações, e são oferecidos por universidades particulares.<ref>{{Citar web|titulo=Quiropraxia|url=https://www.feevale.br/graduacao/quiropraxia|obra=Universidade Feevale|acessodata=2019-01-28}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=QUIROPRAXIA|url=https://portal.anhembi.br/graduacao/cursos/quiropraxia/|obra=Universidade Anhembi Morumbi|acessodata=2019-01-28}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=UCB – Universidade Católica de Brasília – Novo Curso: Bacharelado em Quiropraxia|url=http://www.ucb.br/Noticias/2/10602/NovoCursoBachareladoEmQuiropraxia/|obra=UCB – Universidade Católica de Brasília|acessodata=2019-01-28|primeiro=UCB-Universidade Católica de|ultimo=Brasília}}</ref> O website da ABQ lista aproximadamente 1000 profissionais formados de acordo com esses parâmetros educacionais.<ref>{{Citar web|titulo=Associação Brasileira de Quiropraxia|url=https://www.quiropraxia.org.br/encontre-um-quiropraxista|obra=www.quiropraxia.org.br|acessodata=2019-01-28}}</ref>
== Em Portugal ==Em [[Portugal]] a quiropraxia está enquadrada no ordenamento jurídico como profissão da área da saúde através da [[portaria]] nº 2017-D/2014 de 8 de outubro, não existindo, no entanto, nenhuma formação na área no país.<ref>{{Citar web|url=https://observador.pt/2016/06/20/fisioterapia-ou-quiropratica-eis-a-questao-de-um-corpo-dorido/|titulo=Fisioterapia ou quiroprática? Eis a questão de um corpo dorido|acessodata=2018-12-09|obra=Observador|ultimo=Santos|primeiro=Carolina|ultimo2=Santos|primeiro2=Carolina}}</ref>
{{Referências|col=2}}
== Ligações externas ==* [http://www.wfc.org Site da World Federation of Chiropractic]* [http://www.nbce.org Site da National Board Chiropractic Examiners]
{{Pseudociência}}
[[Categoria:Quiropraxia]]