Entropy in 2021 | Text tattoo, Entropy, Tattoos

Our Fragile Intellect
Gerald Crabtree – Fator h 115

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

“Our Fragile Intellect” (Nosso Frágil Intelecto) é um artigo de 2010-2013 do bioquímico americano Gerald Crabtree (descobridor em 1982 que um gene produzia mais de uma proteína) , publicado na revista Trends in Genetics . A tese de Crabtree argumenta que a inteligência humana atingiu o pico em algum momento entre 2.000 e 6.000 anos atrás e está em declínio constante e drástico desde o advento da agricultura e da crescente urbanização. Os humanos modernos, de acordo com Crabtree, têm perdido suas habilidades intelectuais e emocionais devido ao acúmulo de mutações genéticas que não estão sendo selecionadas como antes em nosso passado de caçadores-coletores.[1][2] Essa teoria às vezes é chamada de hipótese da idiocracia.[3]

Índice



Tese

Crabtree argumenta que os avanços na ciência moderna permitem que novas previsões sejam feitas sobre o passado e o futuro da humanidade , e podemos prever “que nossas habilidades intelectuais e emocionais são geneticamente surpreendentemente frágeis”. Sua pesquisa possui afinidade com os estudos em entropia genética de John C. Sanford. Estudos recentes de genes correlacionados com a inteligência humana no cromossomo X indicam que a atividade intelectual e emocional típica depende de 10% dos genes. Os genes dependentes de inteligência (ID) parecem estar amplamente distribuídos por todo o genoma, levando a uma cifra de 2.000 a 5.000 genes responsáveis por nossas habilidades cognitivas. Mutações deletérias nesses genes podem afetar o funcionamento intelectual e emocional normal em humanos. Pensa-se que apenas nas últimas 120 gerações (3000 anos), os humanos receberam diferentes taxas de mutações prejudiciais a estes genes, ou uma a cada 20-50 gerações.[4][5]

Uma das citações do artigo “Our Fragile Intellect -Part I descreve que americanos sofreram mais entropia e acúmulo de defeitos e genes deleterios mutados que africanos da seguinte forma: [6]“Para avaliar quantitativamente a distribuição das idades de mutação, nós sequenciamos  15.336 genes em 6.515 indivíduos de ascendência americana, africana e europeia ….de 1.146.401 mutações autossômicas variantes de nucleotídeo único (SNVS). Nós estimamos que cerca de 73% de todos os SNVs codificadores de proteínas e cerca de 86% de SNVs deletérios surgiram nos últimos 5.000-10.000 anos. A idade média dos SNVs deletérios variou significativamente entre vias moleculares e genes de doenças continha uma proporção significativamente maior de SNVs deletérios que recentemente surgiram de outros genes. Além disso, os americanos europeus tiveram um excesso de variantes deletérias em genes essenciais e mendelianos de doença em comparação com os afro-americanos, de acordo com fraca seleção purificadora, devido à dispersão Out-of-Africa”.

Veja também

Referências

  1.  Kim, JuJu. (2012, November 15). “Human Beings Are Getting Dumber, Says Study Arquivado em 2012-11-20 no Wayback Machine.”. Time.
  2. ↑ Ir para:a b Boyle, Rebecca. (2012, November 19). “Are People Getting Dumber? One Geneticist Thinks So Arquivado em 2012-12-02 no Wayback Machine.”. PopSci. Retrieved December 6, 2012.
  3.  Adee, Sally. (2013, April 1). Stupidity: What makes people do dumb things Arquivado em 2015-04-02 no Wayback Machine.. New Scientist. 216(2910): 30-33. Retrieved December 20, 2013.
  4. ↑ Ir para:a b Crabtree, Gerald R. (January, 2013). “Our Fragile Intellect. Part I”. Trends in Genetics. 29 (1): 1-3. doi:10.1016/j.tig.2012.10.002
  5.  Brooks, Rob. (2012, November 19). “Is human intellect on the downward slide? Arquivado em 2012-11-30 no Wayback Machine.”. The Conversation. Retrieved December 7, 2012.
  6.  Fu, Wenqing; O’Connor, Timothy D.; Jun, Goo; Kang, Hyun Min; Abecasis, Goncalo; Leal, Suzanne M.; Gabriel, Stacey; Rieder, Mark J.; Altshuler, David (10 de janeiro de 2013). «Analysis of 6,515 exomes reveals the recent origin of most human protein-coding variants»Nature (7431): 216–220. ISSN 1476-4687PMC 3676746Acessível livrementePMID 23201682doi:10.1038/nature11690. Consultado em 14 de abril de 2021
  7.  Ghose, Tia. (2012, November 12). “Are humans becoming less intelligent? It could very well be Arquivado em 2012-11-17 no Wayback Machine.”. LiveScience. NBCNews.com. Retrieved December 6, 2012.
  8.  Connor, Steve. (2012, November 12). “Human intelligence ‘peaked thousands of years ago and we’ve been on an intellectual and emotional decline ever since’“. The Independent. Retrieved December 6, 2012.
  9.  Flatow, Ira. (2012, November 16). “Are We Getting Dumber? Maybe, Scientist Says“. National Public Radio. Science Friday. (audio Arquivado em 2013-01-16 no Wayback Machine.). Retrieved December 20, 2012.
  10.  Collins, Nick (2012, November 12). “Civilisation is making humanity less intelligent, study claims“. Telegraph Online. Retrieved December 21, 2012.