Autor: Sodré GB Neto
DOI:  10.13140/RG.2.2.16125.23529

Resumo: Apesar de precisarmos ter muita cautela e estudo quando formos substituir o conhecimento de sintéticos farmacêuticos por bioidênticos, esta tem sido a tendências científica atual devido a toxidade elevada dos sintéticos em geral contrastada com os benefícios dos produtos naturais e orgânicos. O grau de pureza dos sintéticos deveria ganhar maior notoriedade , bem como o valor diferenciado de laboratoristas que sabem de fato qual rota de síntese gera melhor resultado. Os semi-sintéticos e o uso de bactérias para metabolizar princípios ativos devem possuir preferências.

Introdução

Na historia da medicina e farmácia , houve uma troca e uma mistura bastante comercial e motivada por interesses, das plantas, unguentos, extratos e alimentos medicinais, por medicamentos sintéticos inorgânicos tóxicos e patenteáveis; que agora, com estudos mais avançados[1] e distinguindo a imensa toxidade dos sintéticos quando comparados aos produtos naturais [2] se revelou deletéria. Em um estudo comparativo entre sintéticos e produtos naturais, apesar de algumas ressalvas muito ligadas ao desconhecimento de ervas hoje, lemos:[3]

“Cerca de 8% das internações hospitalares nos Estados Unidos da América são decorrentes de efeitos adversos ou colaterais de drogas sintéticas ( 1 ). Aproximadamente 100.000 pessoas morrem a cada ano devido a essas toxicidades. Isso significa que as pessoas mortas nos EUA por drogas farmacêuticas são pelo menos três vezes mais do que as mortas por motoristas bêbados. Todos os anos também milhares de pessoas morrem de drogas de venda livre supostamente “seguras”. Mortes ou hospitalizações devido a ervas são tão raras que são difíceis de encontrar” … “Foi demonstrado que os extratos de plantas inteiras não podem ser imitados pela administração de constituintes purificados e isolados das ervas[4][5]…”Nesse sentido, um medicamento farmacêutico é geralmente projetado para provocar uma reação específica e seus “efeitos colaterais ou adversos” são geralmente negociados como um “risco” contra o “benefício” do efeito primário. Os medicamentos fitoterápicos geralmente tendem a ter várias ações complementares ou sinérgicas amplas nos sistemas fisiológicos ao mesmo tempo, que geralmente seguem a mesma direção terapêutica geral e, muitas vezes, não são específicas. Além disso, essas ações raramente são efeitos adversos. As ações da fitoterapia são muito complexas e geralmente não podem ser adequadamente descritas usando o vocabulário de termos de ação de “medicação”, como diurético ( 2 – 7 ).

Esta troca de naturais por sintéticos possui algumas engrenagens no processo sendo talvez a principal delas , o domínio comercial que as drogas sintéticas permitem aos seus possuidores , e tem se revelado o pior negocio do mundo para os pacientes, e o melhor negocio do mundo apenas para a indústria, seus investidores, sistemas hospitalares e até um número sem fim de médicos que recebem prêmios das farmacêuticas, propinas e valores, para receitar rapidamente sua receita, com aquela letrinha inelegível e rápida, pois precisa ganhar tempo e dinheiro, sobretudo em países como o Brasil onde existe baixíssima proporção de médicos para atender sua imensa população[6], pois como sempre repetem os representantes farmacêuticos que doam somente ao médico que receita muito, pois “médico tem que ser bom de caneta” pra venderem cada vez mais.

Cada planta ou alimento nutracêutico, traz milhares de princípios ativos em suas células, atuando em nossa saúde. A maioria deles possuem efeitos sinérgicos[7] beneficiando diversas áreas da saúde e é por isto que uma planta costuma atender diversas doenças ao mesmo tempo, porém a maioria destes milhares de princípios ativos de plantas medicinais, são bastante desconhecidos no vastos e inumeráveis metabolismos celulares:[8]

“As drogas sintéticas tratam os sintomas causados por doenças específicas, conforme entendido pela patologia científica, no entanto, um fitoterápico geralmente direciona para auxiliar o processo de cura do próprio corpo. Os fitoterápicos costumam agir com suavidade, “apoiar” os sistemas e processos que se tornaram deficientes ou tentam ajudar a remover os excessos que se tornaram preponderantes. O alívio dos sintomas é apenas uma seção das estratégias terapêuticas das plantas medicinais. Por exemplo, a artrite é geralmente tratada com drogas anti-inflamatórias esteróides que têm efeitos adversos perturbadores generalizados. A aproximação de ervas a essas condições causa umidificação da sinóvia seca, estimulação da circulação nas regiões afetadas, facilitação da eliminação por via renal e hepática/biliar, modificação dietética do metabolismo, etc. ( 1 – 5).”

Contudo, este desconhecimento da ciência, de certa forma, seria compensado pela prática milenar destas plantas, onde são bem conhecidos seus resultados; e como se repete um ditado alemão “ciência boa é aquela que funciona”, muitas vezes teríamos muitas das vezes, não todas, na palavra da cultura milenar do índio ou da sábia vovozinha, que nos receita um chá, a melhor ciência e consciência das coisas que toda a maquiagem do saber científico pretende pretensiosamente saber .

Enquanto um remédio sintético possui apenas 1 ou poucos princípios ativos, bastante estudados pelos cientistas (que sempre demonstram cada vez mais que se aprofundam maior limitação), estão sempre acompanhados de subprodutos tóxicos (a maioria desconhecidos) porque qualquer rota de síntese química, acaba por produzir milhares de produtos desconhecidos, de maior ou de menor pureza em relação ao produto principal almejado, conforme laudos e demonstrativos testados em espectrometria de massas; os quais possuem efeitos, quando conhecidos, na maioria das vezes, deletérios e danosos a saúde humana.[9] A toxidade dos sintéticos inorgânicos é tanta, que apenas 5% deles conseguem aprovação ética para se testar em animais. E destes 5%, apenas 1% conseguem aprovação para se testar em humanos.[10][11]

Quando um principio ativo de uma planta ou organismo é identificado , os representantes da ciência (não daquela ciência-ciência, mas da ciência- comercio), tratam de tentar sintetizá-lo e transformam a solução barata e saudável em cara, comercializável, patenteável, difícil de se copiar , e tóxica, bem tóxica. Pra receberem investimento da indústria farmacêutica devem possuir exclusividade de fabricação e é exatamente por isso que o DR. Lair Ribeiro, ex-presidente da NOVARTS, os cita como medicamentos “ETs” , extraterrestres, de fómulas bem esquisitas e desconhecidas do organismo e dos laboratoristas concorrentes .

Pior ainda quando falamos de medicamento tóxico, este quadro no Brasil, onde não existe controle externo de qualidade , ou seja, quem controla a qualidade dos medicamentos é a própria indústria (algo do tipo, eu falo bem de mim mesmo) ; exceto quando está pra ser lançado no mercado onde se contrata laboratórios credenciados para acompanhar a qualidade da síntese. E uma vez que a China e Índia produzem 95% dos princípios ativos, que se vendem aqui, as “industrias farmacêuticas” (que na verdade são quase apenas empacotadores de remédios importados), vendem as piores qualidades de pureza aos países pobres como o Brasil, onde pechinchamos os medicamentos e ainda os achamos muito caros, devido a exploração cambial nossa com salário mínimo mensal de apenas 257,76 dólares, que dá um lucro gigantesco as empresas que exportam para países onde o salario mínimo mensal gira em torno de 4 a 7.000 dólares.

Se não bastasse isso, existe ainda o problema dos segredos de rota de síntese, que como segredinhos de culinária, que cada laboratório e laboratoristas experientes guardam a sete chaves. Ou seja, consumimos em termos de medicamento, o lixo do lixo do lixo, e o Brasil que gasta por ano 20 bilhões de reais com medicamentos , em licitações que decidem pelo critério do preço mesmo sabendo que na prática médico-farmacêutica, se sabe que algumas marcas são mais bem fabricadas que outras; mas quem vai testar a qualidade de mesmos compostos não é mesmo? O técnico em farmácia vão distinguir Substâncias enantiomericamente puras (SEP)? Haverão testes de espectometria de massas? Quase nunca , são testes caros , enquanto isso medicamentos de baixa qualidade é que ganham as licitações e gastamos 200 bilhões com eles, com propinas e toda a administração médico-industria-hospitalar cheia de esquemas obscuros.

A abertura dos medicamentos genéricos estimulada pelo comerciante e político, José Serra , ainda aumentou tal situação; O Zé Serra agora está com mal de Parkinson e talvez deve estar usando extrato de maconha natural que é muito bom para doença de Parkinson[12][13][14][15] e muitas outras doenças, já o sintético que é muito caro, custa R$ 2300,00 a cartela, tem efeitos colaterais nada recomendáveis.

Mas o resultado da transformação de medicamentos orgânicos naturais para sintéticos patenteáveis, são farmácias entupidas de tóxicos e drogas pesadas, inumeráveis grandes ensaios clínicos bonitos, bem trabalhados, bem publicados, com muitas pessoas testadas, e farmácias vazias de plantas, plantas estas que você encontra na esquina , nos raizeiros da vida, e nas casas de produtos naturais que se não pagarem propina aos fiscais da ANVISA , não ficam abertas, por conta da legislação imbecil e desgraçada que domina grande parte do mundo , da ciência e de nosso pobre país chamado Brasil. Tem outros resultados como o fato de que temos 10 vezes mais mortes por milhão de pessoas , de covid19, nos países que mais consomem sintéticos.[16] Ou os efeitos nocivos do canadibiol sintético (aprovada pela ANVISA)[17][18][19]contrastado com o extrato natural da planta que cura centenas de doenças: [20]

“O óleo de Canabidiol (CDB) em extrato natural tem sido apresentado como fitoterápico atuando no tratamento de diversos tipos de câncer como mama[1][2], pulmão[3][4][5], próstata[6][7][8], pele[9], fígado[10][11] e muitos outros [12][13][14][15][16] por sua capacidade de induzir apoptose[17][18][19].”

Hormônios Bioidênticos Além do alto contraste entre sintético versus bioidênticos verificados no canadibiol, assistimos agora uma verdadeira guerra encabeçada por endocrinologistas recomendando bioidênticos no lugar dos hormônios sintéticos, a literatura científica, encabeçada pela industria farmacêuticas terminam seus artigos exigindo grandes ensaios para esclarecer óbvio que nesta meta análise escancara: [21]

” A terapia hormonal bioidêntica composta (cBHT) na literatura publicada”…”Um total de 29 ECRs relatados em 40 artigos contendo 1.808 mulheres na perimenopausa e pós-menopausa foram incluídos. Dois fatores de risco de doença cardiovascular, perfil lipídico e metabolismo da glicose, foram avaliados com cBHT. Os resultados mostraram que o andrógeno composto não foi associado à alteração do perfil lipídico ou metabolismo da glicose. Não houve alteração na espessura endometrial ou eventos adversos graves. Houve mais efeitos colaterais androgênicos com dehidroepiandrosterona composta em comparação com placebo, como esperado.”..”O cBHT na forma de andrógeno vaginal composto melhorou significativamente os sintomas de atrofia vaginal (SMD -0,66 [IC 95%, -1,28 a -0,04]; I2 = 86,70%). Esta descoberta foi apoiada pela associação entre o andrógeno vaginal composto e os escores de função sexual feminina melhorados.”

A Divisão na Medicina na Oncologia

Toda ciência medicamentosa está dividida entre produtos sintéticos comerciais versus naturais bioidênticos:[22]

“Com o surgimento da terapia anticâncer moderna, a comunidade médica se divide em dois campos opostos, um deles reivindicando a absoluta necessidade de usar compostos químicos isolados ou sintetizados para o tratamento eficiente do paciente e outro defendendo terapias alternativas contra o câncer, em particular aquelas baseadas em fontes naturais, incluindo extratos de plantas. Parece, na realidade, que os dois campos são conciliáveis: enquanto fontes naturais, extratos de plantas ou sucos desempenham papel curativo e protetor, as drogas representam a possibilidade final de inibir ou reverter o desenvolvimento de tumores. Neste artigo, tentamos analisar as potências anti-câncer de mama de alguns extratos de diferentes fontes vegetais e comparar sua eficiência antiproliferativa de extratos brutos com as ações de seus ingredientes purificados.”

E por isso novos tratamentos usando agora produtos naturais são cada vez mais onipresentes na literatura [23] [24][25][26] porém por mais que sejam recomendados, na prática médica e hospitalar , a indústria dos sintéticos ainda continua invicta nos hospitais, receituários, ensaios clínicos, regras, entupindo nossas farmácias quase apenas deles.

De quem foi a culpa

A maior culpa sem dúvida alguma, por este estado deprimente da saúde pública ameaçada por sintéticos tóxicos, vem logicamente da ganância humana expressa pela indústria, que desde Desmond Ford, cancelou o papel do antigo farmacêutico, para que este fosse valorizado apenas se trabalhasse para ela, bem como exaltou sob estrita condições o papel do médico, para que obedecesse fielmente os ditames da “ciência-comercio” orquestrando-os desde a política para que fossem vendedores rápidos que escrevessem garranchos inacreditáveis vendendo seus produtos. Ficou definido que as convalidações de fármacos dependeriam agora dos grandes ensaios clínicos que de tão caros, burocráticos e demorados, quase somente a indústria poderia bancar e se dedicar aos mesmos. Também colaborando com esta tendência veio também da arrogância da ciência e cientistas positivistas, quando se arvoram (por mais que teoricamente e epistemologicamente ciência não trabalhe com verdades) com o direito de definir o que é verdade e o que é mito; por mais que que para alguns assuntos, a ciência metodológica seja muito útil neste sentido, mas para outros, faz apenas uma bela maquiagem de “realidades” com gráficos, metodologias e testes de um pedacinho da realidade, querendo por meio dele, definir toda realidade transgredindo frontalmente o que observou Feynmann:

“O conhecimento científico é um conjunto de afirmações científicas com vários graus de certeza, algumas muito inseguras, algumas quase certas e e nenhuma absolutamente certa”



Devemos lembrar que ciência é apenas um recorte de uma realidade , principalmente ciência medicamentosa , que estuda princípios ativos que são menos do que nada quando enxergamos as múltiplas variáveis envolvidas na célula, e/ou agindo sinergicamente nos milhares de princípios ativos de extratos de plantas. mas a ciência neste caso, que prima por isolar ao máximo variáveis na pesquisa, para distinguir a verdade, neste ponto, se furtou de conhecê-la, senão anos mais tarde , depois de jogá-la por terra[27], talvez com grande dificuldade hoje.

Losartana


Losartana portanto é só mais um dos milhares de casos, é um medicamento utilizado para o tratamento de pacientes com pressão alta e insuficiência cardíaca e desde tempos que já foi verificado estar relacionado a geração de câncer[28][29][30]

A farmacêutica Sanofi Medley anunciou a retirada preventiva e voluntária de três medicamentos com o princípio ativo Losartana do mercado. A ação foi determinada após serem encontradas impurezas nos comprimidos que podem causar mutações e aumentar o risco de câncer.

A Losartana é utilizada para o tratamento de pacientes com pressão alta e insuficiência cardíaca. Já a versão hidroclorotiazida tem efeito diurético, também usada como complemento no mesmo tratamento.

Em nota, a Sanofi afirmou que a retirada é uma medida preventiva e que a medida não ocorreu apenas no Brasil. “Até o momento, não existem dados para sugerir que o produto que contém a impureza causou uma mudança na frequência ou natureza dos eventos adversos relacionados a cânceres, anomalias congênitas ou distúrbios de fertilidade. Assim, não há risco imediato em relação ao uso dessas medicações contendo losartana”, diz o comunicado.

O recolhimento voluntário feito pela Sanofi Medley afeta todos os lotes dos seguintes remédios:

• losartana potássica 50 mg e 100 mg

• losartana potássica + hidroclorotiazida 50 mg + 12,5 mg

• losartana potássica + hidroclorotiazida 100 mg + 25 mg

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), desde 2018 há um alerta global para monitoramento de um tipo específico de impureza nos medicamentos contra a hipertensão arterial.[31]

Conclusão

A ciência dominada pelo comercio e o modernismo, jogaram fora ou distanciaram o homem da sabedoria milenar das plantas, dos índios e da sabedoria milenar que permanece entre os mais antigos, agora , em busca do bioidêntico que nos foi roubado, precisamos de muita cautela e pesquisa, para verificar até quando e onde podemos substituir estes tóxicos; distinguir as vezes não é tão fácil , sobretudo quando a farmácia dos sintéticos já possui toda uma linha de produtos eficientes , e por mais que efeitos adversos vão sempre existir neste, devemos agir com cautela. Vemos na pesquisa dos microRNAs fitoterápicos uma grande esperança de reunir aquilo que existe de mais moderno na ciência neutra, com aquilo mais sábio que existe na medicina popular.

Referências

  1. Khoogar, Roxane; Kim, Byung-Chang; Morris, Jay; Wargovich, Michael J. (1 de maio de 2016). «Chemoprevention in gastrointestinal physiology and disease. Targeting the progression of cancer with natural products: a focus on gastrointestinal cancer». American Journal of Physiology-Gastrointestinal and Liver Physiology (9): G629–G644. ISSN 0193-1857. PMC 4867331Acessível livremente. PMID 26893159. doi:10.1152/ajpgi.00201.2015. Consultado em 16 de abril de 2022 
  2. Karimi, Ali; Majlesi, Maedeh; Rafieian-Kopaei, Mahmoud (1 de janeiro de 2015). «Herbal versus synthetic drugs; beliefs and facts». Journal of Nephropharmacology (1): 27–30. ISSN 2345-4202. PMC 5297475Acessível livremente. PMID 28197471. Consultado em 18 de abril de 2022 
  3. Karimi, Ali; Majlesi, Maedeh; Rafieian-Kopaei, Mahmoud (1 de janeiro de 2015). «Herbal versus synthetic drugs; beliefs and facts». Journal of Nephropharmacology (1): 27–30. ISSN 2345-4202. PMC 5297475Acessível livremente. PMID 28197471. Consultado em 18 de abril de 2022 
  4. Rafieian-Kopaei, Mahmoud; Baradaran, Azar; Rafieian, Morteza (julho de 2013). «Oxidative stress and the paradoxical effects of antioxidants». Journal of Research in Medical Sciences: The Official Journal of Isfahan University of Medical Sciences (7). 629 páginas. ISSN 1735-1995. PMC 3897036Acessível livremente. PMID 24516501. Consultado em 18 de abril de 2022 
  5. Ghobadi Pour, Mozhgan; Mirazi, Naser; Moradkhani, Shirin; Rafieian-kopaei, Mahmoud; Rahimi-Madiseh, Mohammad (20 de outubro de 2020). «A comprehensive review on phytochemical, pharmacological and therapeutic properties of Agrimonia eupatoria L.». Journal of Herbmed Pharmacology (1): 14–30. ISSN 2345-5004. doi:10.34172/jhp.2021.02. Consultado em 18 de abril de 2022 
  6. Sodré, GBN (6 de abril de 2021). «Quanto custa faculdade de medicina no Brasil?». Jornal da Ciência. Consultado em 16 de abril de 2022 
  7. Hajian, Shabnam (2013). «Renoprotective effects of green tea». Journal of Nephropharmacology (2): 21–22. ISSN 2345-4202. PMC 5297547Acessível livremente. PMID 28197439. Consultado em 18 de abril de 2022 
  8. Karimi, Ali; Majlesi, Maedeh; Rafieian-Kopaei, Mahmoud (1 de janeiro de 2015). «Herbal versus synthetic drugs; beliefs and facts». Journal of Nephropharmacology (1): 27–30. ISSN 2345-4202. PMC 5297475Acessível livremente. PMID 28197471. Consultado em 18 de abril de 2022 
  9. Rasool Hassan, Bassam Abdul (2012). «Medicinal Plants (Importance and Uses)». Pharmaceutica Analytica Acta (10). ISSN 2153-2435. doi:10.4172/2153-2435.1000e139. Consultado em 18 de abril de 2022 
  10. Servan-Schreiber, David (julho de 2009). «Anticancer: A New Way of Life». The Journal of Alternative and Complementary Medicine (em inglês) (7): 805–806. ISSN 1075-5535. doi:10.1089/acm.2009.0068. Consultado em 16 de abril de 2022 
  11. Asante-Duah, Kofi (2017). «Exposure Assessment: Analysis of Human Intake of Chemicals». Dordrecht: Springer Netherlands: 189–229. ISBN 978-94-024-1037-2. Consultado em 16 de abril de 2022 
  12. Zuardi, Aw; Crippa, Jas; Hallak, Jec; Pinto, Jp; Chagas, Mhn; Rodrigues, Ggr; Dursun, Sm; Tumas, V. (novembro de 2009). «Cannabidiol for the treatment of psychosis in Parkinson’s disease». Journal of Psychopharmacology (em inglês) (8): 979–983. ISSN 0269-8811. doi:10.1177/0269881108096519. Consultado em 15 de abril de 2022 
  13. Cassano, Tommaso; Villani, Rosanna; Pace, Lorenzo; Carbone, Antonio; Bukke, Vidyasagar Naik; Orkisz, Stanislaw; Avolio, Carlo; Serviddio, Gaetano (2020). «From Cannabis sativa to Cannabidiol: Promising Therapeutic Candidate for the Treatment of Neurodegenerative Diseases». Frontiers in Pharmacology. ISSN 1663-9812. doi:10.3389/fphar.2020.00124/full. Consultado em 15 de abril de 2022 
  14. Lotan, Itay; Treves, Therese A.; Roditi, Yaniv; Djaldetti, Ruth (2014). «Cannabis (Medical Marijuana) Treatment for Motor and Non–Motor Symptoms of Parkinson Disease: An Open-Label Observational Study». Clinical Neuropharmacology (em inglês) (2): 41–44. ISSN 0362-5664. doi:10.1097/WNF.0000000000000016. Consultado em 15 de abril de 2022 
  15. Bougea, Anastasia; Koros, Christos; Simitsi, Athina-Maria; Chrysovitsanou, Chrysa; Leonardos, Athanasios; Stefanis, Leonidas (1 de maio de 2020). «Medical cannabis as an alternative therapeutics for Parkinsons’ disease: Systematic review». Complementary Therapies in Clinical Practice (em inglês). 101154 páginas. ISSN 1744-3881. doi:10.1016/j.ctcp.2020.101154. Consultado em 15 de abril de 2022 
  16. Sodré, GBN (9 de março de 2022). «Por que morrem tão poucos por Covid19 na China e India ?». Jornal da Ciência. Consultado em 16 de abril de 2022 
  17. Theunissen, Eef L.; Reckweg, Johannes T.; Hutten, Nadia R. P. W.; Kuypers, Kim P. C.; Toennes, Stefan W.; Neukamm, Merja A.; Halter, Sebastian; Ramaekers, Johannes G. (março de 2021). «Intoxication by a synthetic cannabinoid (JWH-018) causes cognitive and psychomotor impairment in recreational cannabis users». Pharmacology, Biochemistry, and Behavior. 173118 páginas. ISSN 1873-5177. doi:10.1016/j.pbb.2021.173118. Consultado em 18 de abril de 2022 
  18. Bilel, Sabrine; Tirri, Micaela; Arfè, Raffaella; Ossato, Andrea; Trapella, Claudio; Serpelloni, Giovanni; Neri, Margherita; Fattore, Liana; Marti, Matteo (janeiro de 2020). «Novel halogenated synthetic cannabinoids impair sensorimotor functions in mice». Neurotoxicology: 17–32. ISSN 1872-9711. PMID 31610187. doi:10.1016/j.neuro.2019.10.002. Consultado em 18 de abril de 2022 
  19. Assi, Sulaf; Marshall, Danielle; Bersani, Francesco Saverio; Corazza, Ornella (julho de 2020). «Uses, Effects and Toxicity of Synthetic Cannabinoids from the Perspective of People with Lived Experiences». Journal of Psychoactive Drugs (3): 237–247. ISSN 2159-9777. PMID 32027228. doi:10.1080/02791072.2020.1723748. Consultado em 18 de abril de 2022 
  20. Sodré, GBN (25 de agosto de 2021). «Aumentando o efeito anticâncer do CBD (Canadibiol) por meio de suplementação de PE à célula cancerosa». Jornal da Ciência. doi:10.13140/RG.2.2.21862.14408. Consultado em 18 de abril de 2022 
  21. Liu, Yi; Yuan, Ying; Day, A. J.; Zhang, Wen; John, Princy; Ng, Danielle J.; Banov, Daniel (abril de 2022). «Safety and efficacy of compounded bioidentical hormone therapy (cBHT) in perimenopausal and postmenopausal women: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials». Menopause (em inglês) (4): 465–482. ISSN 1530-0374. doi:10.1097/GME.0000000000001937. Consultado em 18 de abril de 2022 
  22. Levitsky, Dmitri O.; Dembitsky, Valery M. (1 de fevereiro de 2015). «Anti-breast Cancer Agents Derived from Plants». Natural Products and Bioprospecting (em inglês) (1): 1–16. ISSN 2192-2209. PMC 4327996Acessível livremente. PMID 25466288. doi:10.1007/s13659-014-0048-9. Consultado em 18 de abril de 2022 
  23. Gezici, Sevgi; Şekeroğlu, Nazım (1 de janeiro de 2019). «Current Perspectives in the Application of Medicinal Plants Against Cancer: Novel Therapeutic Agents». Anti-Cancer Agents in Medicinal Chemistry- Anti-Cancer Agents) (1): 101–111. doi:10.2174/1871520619666181224121004. Consultado em 18 de abril de 2022 
  24. Shareef, Munazza; Ashraf, Muhammad Aqeel; Sarfraz, Maliha (1 de maio de 2016). «Natural cures for breast cancer treatment». Saudi Pharmaceutical Journal. Current Research in Chemical and Pharmaceutical Sciences (em inglês) (3): 233–240. ISSN 1319-0164. doi:10.1016/j.jsps.2016.04.018. Consultado em 18 de abril de 2022 
  25. Calado, Ana; Neves, Pedro Miguel; Santos, Teresa; Ravasco, Paula (2018). «The Effect of Flaxseed in Breast Cancer: A Literature Review». Frontiers in Nutrition. ISSN 2296-861X. doi:10.3389/fnut.2018.00004/full. Consultado em 18 de abril de 2022 
  26. Vemuri, Satish Kumar; Banala, Rajkiran Reddy; Subbaiah, G.P.V.; Srivastava, Saurabh Kumar; Reddy, A.V. Gurava; Malarvili, Thekkumalai (1 de dezembro de 2017). «Anti-cancer potential of a mix of natural extracts of turmeric, ginger and garlic: A cell-based study». Egyptian Journal of Basic and Applied Sciences (4): 332–344. doi:10.1016/j.ejbas.2017.07.005. Consultado em 18 de abril de 2022 
  27. «Daniel 8:12 – ACF – Almeida Corrigida Fiel – Bíblia Online». http://www.bibliaonline.com.br. Consultado em 18 de abril de 2022 
  28. Kilcoyne, Adrian; Ambery, Phil; O’Connor, Daniel, eds. (maio de 2013). «The European Directorate for the Quality of Medicines and HealthCare, European Pharmacopoeia, and British Pharmacopoeia». Oxford University Press: 34–36. Consultado em 15 de abril de 2022 
  29. «ICH M7 – Assessment and Control of DNA Reactive (Mutagenic) Impurities in Pharmaceuticals to Limit Potential Carcinogenic Risk». Mutagenic Impurities: 21–56. 8 de dezembro de 2021. doi:10.1002/9781119551249.ch2. Consultado em 15 de abril de 2022 
  30. Oliveira, Rosiane Gomes Silva (29 de outubro de 2015). «Análise do efeito mutagênico e recombinogênico de diferentes fármacos anti-hipertensivos em células somáticas de Drosophila melanogaster». doi:10.14393/ufu.te.2015.137. Consultado em 15 de abril de 2022 
  31. «Comunicado da Anvisa sobre recolhimentos de produtos contendo losartana». Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Consultado em 15 de abril de 2022