Segundo este artigo científico https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29241363 , a Coreia do Sul é conhecida como a capital do criacionismo e TDI no mundo.  Com população de apenas 50 milhões de habitantes a Coreia do Sul  quase empata em número de patentes com a china de 1,4 bilhão de habitantes .O  Brasil , onde nem a USP e UNICAMP estão no ranking das 200 melhores universidades, ocupa penúltimo lugar em patentes no mundo. https://anprotec.org.br/site/2014/04/brasil-ocupa-penultima-posicao-em-ranking-de-patentes/   

“Estados Unidos em primeiro lugar, com 2,2 milhões de patentes, seguido do Japão, que tem 1,6 milhão. Depois estão China (875 mil), Coreia do Sul (738 mil), Alemanha (549 mil), França (490 mil), Reino Unido (459 mil) e até o principado de Mônaco (42.838). O Brasil está na 19ª posição, com 41.453 patentes válidas. São 211 a mais que o último lugar, ocupado pela Polônia. No bloco dos BRICS, todos estão na frente: seguidos pela China aparecem Rússia (181 mil), África do Sul (112 mil) e Índia (42.991)”.

Qual a causa disso?

Podemos enumerar 4 causas para esta situação vergonhosa:

1. Educação ineficiente
2. Cultura
3. Falta de comunicação e/ou perspectiva em relação ao Design Inteligente

4. A cientificidade do criacionismo comparada ao evolucionismo

Educação Ineficiente

No ano 2000 tínhamos 100 mil doutores no Brasil que defenderam 113 patentes nos EUA, e no mesmo período , a Coreia do Sul com apenas 10% do nosso número de doutores, defendeu 3400. Por isso também alem de outras variáveis, estamos em penúltimo lugar e a Coreia em terceiro lugar mundial em numero de patentes. https://anprotec.org.br/site/2014/04/brasil-ocupa-penultima-posicao-em-ranking-de-patentes/
Não testar vocações, ou simplesmente testar sem construir algo mais personalizado  para aquela pessoa se educar gera um desgaste terrível nos estudantes , pois  metade dos alunos abandonam a universidade ou trocaram de curso https://g1.globo.com/educacao/noticia/metade-dos-calouros-na-faculdade-em-2010-trocaram-de-turma-de-instituicao-ou-abandonaram-o-curso.ghtml . Calcule o tempo perdido, o stress, e aqueles que só terminarão o curso porque começaram..
Também observamos que não observar soluções dentro de cadeia de prioridades,  que conjugue necessidade individual, familiar , regional, estadual, nacional e oportunidades e necessidades internacionais., fará com que a educação não se relacione com  a realidade, por mais que, vez ou outra,  estudos científicos aparentemente neutros e sem uma aplicação mais concreta , também  devam ser incentivados, pagos e remunerados.
Mas no geral, as coisas seguem uma ordem de prioridades, depois que a pessoa resolva o básico para sobreviver e/ou corresponder as necessidades , é que se deveria desafiá-la para aprofundamentos conforme área que o aluno escolher, precisar, foi vocacionado e houve identificação de recursos, aptidão e possibilidades e negligenciar isso é o mesmo que querer ir a lua sem poder andar até até na esquina.

Nossa educação demonstra no geral não ter quase nenhuma estratégia para atenção básica, onde alunos recebem ensinamentos de coisas inúteis que o aluno vai esquecer, enquanto muitas vezes, sua família passa necessidades , sua região padece de conhecimentos práticos e seu Estado e país são dominados por instruções mais ágeis e espertas de outros países (em gerar soluções).

O aluno que sobreviver e continuar estudando (5 a 10%)vai pra faculdade aprender a eliminar matéria o mais rápido que puder, pra pegar logo seu diploma , a maioria sem se envolver em inovação, projetos , porque o sistema não valoriza na prática isso.
O resultado repercute nas comparações internacionais até em relação aos nossos “doutores” . No ano 2000 tínhamos 100 mil doutores no Brasil que defenderam 113 patentes nos EUA, e no mesmo período , a Coreia do Sul com apenas 10% do nosso número de doutores, defendeu 3400. Por isso também alem de outras variáveis, estamos em penúltimo lugar e a Coreia em terceiro lugar mundial em numero de patentes.

Já , estragando a ciência e fazendo com que ela perca a credibilidade , o poder do ateísmo militante  evolucionista darwinista é tão GIGANTE na academia,  que eles conseguem produzir centenas de artigos “””científicos””” defendendo que um tecido ORGÂNICO, que ainda tem elasticidade, possui 68 milhões de anos https://j.gifs.com/JqwOr9.gif  . INCRÍVEL , o milagre desta preservação é tão imenso que com certeza nem Deus teria tanta paciência pra ficar segurando bactérias e fungos de decomporem tais tecidos por tanto tempo.. O milagre que ateus ACREDITAM supera em muito a nossa fé nos milagres de Deus.

“not clear is how such biofilm structures could themselves survive the ravages of time, as once produced other microorganisms could begin to digest even these”

“O que também não está claro é como essas estruturas de biofilme poderiam sobreviver à deterioração do tempo, uma vez que outros microrganismos poderiam começar a digerir inclusive esses”. https://doi.org/10.1016/j.acthis.2013.01.001


Cultura

No Brasil ninguém pode confiar em ninguém e isso é a causa do porquê que sociedades e empreendimentos não ocorrem. O ódio entre as pessoas, a grosseria, o egoísmo e a falta de bondade são a base para a má distribuição de renda onde o Brasil é campeão, e também onde o super rico tem que ficar enjaulado pra não ser assaltado. O Brasil do sul foi fundado por protestantes e demonstra ser outro país, com índice de confiança entre as pessoas capaz de se criar muito mais cooperativas que mais ao norte. O índice de confiança é fundamental para o empreendedorismo, e a Bíblia, a moral, a palavra, a economia, o viver de forma simples, abnegada, idealista e sonhadora, mártir, características dos protestantes antigos (não dos atuais) deu rumo ao sul do Brasil e aos países protestantes que alem de ser os mais ricos , desenvolvidos do mundo, correspondem, mesmo sendo minoria, a 46% de todos os prêmios nobel, judeus tem 22% e Brasil 0%, nenhuma, nada de premio nobel, perdendo até pra argentina (que também na sua historia antiga havia muitos protestantes antigos ,  possui 5 prêmios nobel).

Falta de comunicação e perspectiva relacionada ao DI 

Descobrimos e percebemos mais coisas que acreditamos ou conhecemos. Isaac Newton era religioso fervoroso e descobriu  leis da física e matemática não porque era mais inteligente que os chineses , mas  porque cria num Deus sistematizador; ele mesmo expressa isso, Leiam o que Newton  em “Princípios Matemáticos da Filosofia Natural.”, no Livro III “Do Sistema do Mundo”, 1687 declara sobre o Criador:

.
“Os seis planetas primários são revolucionados em torno do sol em círculos concêntricos ao sol, com movimentos dirigidos em direção às mesmas partes e quase no mesmo plano. Dez luas são revolucionadas em torno da Terra, Júpiter e Saturno, em círculos concêntricos a eles, com a mesma direção de movimento e quase nos planos das órbitas desses planetas; mas não se deve conceber que simples causas mecânicas poderiam dar origem a tantos movimentos regulares, desde que os cometas erram por todas as partes dos céus em órbitas bastante excêntricas; pois por essa espécie de movimento eles passam facilmente pelas órbitas dos planetas e com grande rapidez; e em seus apogeus, onde eles se movem com o mínimo de velocidade e são detidos o máximo de tempo, eles recuam às distâncias máximas entre si e sofrem, portanto, a perturbação mínima de suas atrações mútuas. Este magnífico sistema do sol, planetas e cometas poderia somente proceder do conselho e domínio de um Ser inteligente e poderoso. E, se as estrelas fixas são os centros de outros sistemas similares, estes, sendo formados pelo mesmo conselho sábio, devem estar sujeitos ao domínio de Alguém; especialmente visto que a luz das estrelas fixas é da mesma natureza que a luz do sol e que a luz passa de cada sistema para todos os outros sistemas: e para que os outros sistemas das estrelas fixas não caiam, devido a sua gravidade, uns sobre os outros, Ele colocou esses sistemas a imensas distâncias entre si”.
“Esse Ser governa todas as coisas, não com a alma do mundo, mas como senhor de tudo; e por causa de seu domínio costuma-se chamá-lo Senhor Deus Pantokrátor, ou Soberano Universal, pois Deus é uma palavra relativa e tem uma referência a servidores; e deidade é o domínio de Deus não sobre o próprio corpo, como imaginam aqueles que supõem Deus ser a alma do mundo, mas sobre os serventes. O Deus Supremo é um Ser eterno, infinito, absolutamente perfeito; mas um ser, mesmo que perfeito, sem domínio, não pode dizer-se ser Senhor Deus; pois dizemos, meus Deus, seu Deus, o Deus de Israel, o Deus dos Deuses, e Senhor dos Senhores; mas não dizemos, meu eterno, seu Eterno, o Eterno de Israel, o Eterno dos Deuses; não dizemos, meu Infinito ou meu Perfeito; estes são títulos que não têm referência aos servidores. A palavra Deus comumente significa Senhor; mas nem todo senhor é um Deus. É o domínio de um ser espiritual que constitui um Deus: um domínio verdadeiro, supremo ou imaginário. E de seu domínio verdadeiro segue-se que o Deus verdadeiro é um ser vivente, inteligente e poderoso; e, de suas outras perfeições, que ele é supremo ou o mais perfeito. Ele é eterno e infinito, onipotente e onisciente; isto é, sua duração se estende da eternidade à eternidade; sua presença do infinito ao infinito; Ele governa todas as coisas e conhece todas as coisas que são ou podem ser feitas. Ele não é eternidade e infinitude, mas eterno e infinito; Ele não é duração ou espaço, mas Ele dura e está presente. Ele dura para sempre, e está presente em todos os lugares, Ele constitui a duração e o espaço. Desde que toda partícula de espaço está sempre, e todo momento indivisível de duração está em todos os lugares, certamente o Criador e Senhor de todas as coisas não pode ser nunca e estar em nenhum lugar.” Isaac Newton
Newton tambem escreveu o livro as profecias de Daniel e Apocalipse 

Cientistas relatam que grandes descobertas científicas se dão também  por inspiração, os pais da ciência eram todos criacionistas e religiosos, segundo a experiência da Coreia no artigo abaixo, eles estavam passando miséria e resolveram apelar pra oração e até hoje as imensas Igrejas da Coreia abrem 5 horas da manhã para cultos de oração :

A Coréia do Sul se rende às demandas do criacionismo

Ouvir Artigo

Junho 5, 2012.
SEUL, Coréia do Sul

Mencione criacionismo e o pensamento de muitos cientistas se voltam aos Estados Unidos, onde os esforços para limitar o ensino da evolução conseguiram lograr progresso em uns poucos Estados.1 Mas esses sucessos são modestos quando comparados com aqueles na Coréia do Sul, onde o sentimento anti-evolução parece estar vencendo a batalha contra a predominância da ciência.

A petição para que se removesse dos livros de textos das Escolas Secundárias, as referências sobre a evolução, alegou vitória no mês passado depois que o Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia (acrónimo em inglês, MEST) revelou que muitas das publicadoras produziriam edições revisadas que excluem exemplos da evolução do cavalo ou do ancestral aviárioArchaeopteryx.O movimento alarmou os biólogos que reclamaram não haverem sido consultados. “O Ministério simplesmente enviou a petição diretamente às companhias publicadoras e deixou que elas julgassem,” disse Dayk Jang, um cientista evolucionário da Universidade Nacional de Seul.

A campanha foi liderada pela Sociedade para a Revisão de Livros de textos” (acrónimo em inglês, STR) que pretende apagar o “erro” da evolução nos livros de textos a fim de “corrigir” a ótica do mundo tida pelos estudantes, de acordo com a “website” da dita sociedade. Esta diz que entre seus membros se incluem professores de biologia e professores de ciências de Escolas Secundárias.

A STR também está fazendo campanha para remover o conteúdo sobre a “evolução dos humanos” e “a adaptação de bicos tentilhões baseada no hábitat e meio de subsistência,” uma referência a uma das mais famosas observações no livro de Charles Darwin, “A Origem das Espécies.” Para reforçar a campanha, o grupo destaca as descobertas recentes de que o Archaeopteryxé uma das muitas espécies de dinossauros penados e não, necessariamente, o ancestral de todos os pássaros.2 Explorar tais debates sobre a linhagem das espécies, comenta Joonghwan Jeon, um evolucionário psicólogo da Universidade Kyung Hee em Yongin, “é uma estratégia típica dos cientistas do criacionismo para atacar o ensino da evolução.”

A Sociedade para a Revisão de Livros de textos (STR) é uma ramificação da Associação de Pesquisa Criacionista (acrónimo em inglês, KACR), de acordo com o porta-voz da dita associação, Jungieol Han. Graças, em parte, pelos esforços da KACR, a ciência criacionista – que busca prover evidências em suporte do mito criacionista descrito no Livro de Gêneses – tem alcançado crescente influência na Coréia do Sul, ainda que a Sociedade para a Revisão de Livros de textos (STR), tenha-se distanciado de tais doutrinas. Desde o princípio de 2008, a KACR marcou vantagem com a bem-sucedida exibição em “Seoul Land,” um dos parques de diversões mais frequentados da nação. De acordo com o grupo, a exibição atraiu mais de 116.000 visitantes em três meses e o parque está, atualmente, fazendo projetos para criar outra exibição que deverá funcionar num período de um ano.

Mesmo o instituto de ciências líder na nação – o Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coréia – já tem uma exibição de ciência criacionista em campus. “A exibição há sido organizada por cientistas que crêem na ciência do criacionismo desde os idos de 1993,” diz Gab-duk Jang, um pastor da igreja em campus. O instituto também tem uma próspera Associação de Pesquisas para a Ciência Criacionista administrada por professores e estudantes, acrescenta.

Antipatia contra a evolução

Em uma pesquisa conduzida em 2009 para o documentário “A Era de Deus e Darwin,” na Coréia do Sul, quase um terço dos entrevistados não cria na evolução. Destes, 41% afirmou não haver suficiente evidência científica para apoiar a teoria; 39% disse que o ensino contradizia suas crenças religiosas; e 17% disse não entender a teoria. Os números se aproximam aos mesmos dos Estados Unidos onde outra pesquisa levada a cabo pela firma Gallup, demonstrou que 40% dos americanos não crêem que os humanos evoluíram de uma forma menos avançada de vida.

A raiz da antipatia Sul Coreana contra a evolução não é muito clara, ainda que Jeon sugere que, parcialmente, “se deve a um forte Cristianismo no país.” Mais ou menos a metade da população Sul Coreana pratica uma religião, na maioria dividida entre Cristianismo e Budismo.

A pesquisa feita pelos professores estagiários do país concluíram, porém, que as crenças religiosas não foram um forte determinante em sua aceitação da teoria da evolução.3 Encontrou também que 40% dos professores de biologia concordam com a afirmação de que “muitos da comunidade científica duvidam que a evolução de fato ocorra ” e metade discorda de que “a humanidade moderna é o produto de um processo evolucionário.”

Até o momento, diz Dayk Jang, a comunidade científica tem feito pouco para combater o sentimento anti-evolucionário. “O problema maior é que existem somente 5 – 10 cientistas evolucionários no país que ensinam a teoria da evolução nas Universidades,” ele afirma. Tendo visto o ferocidade do debate a respeito da evolução nos Estados Unidos, acrescenta, alguns cientistas também se preocupam de que, engajar-se com os criacionistas, poderá dar às argumentações criacionistas maior credibilidade entre o público.

O silêncio não é a resposta, diz Daryk Jang que, agora, está organizando um grupo de peritos que inclui cientistas evolucionários e teólogos que crêem na evolução, a fim de contrariar a campanha da SRT trabalhando no sentido de melhorar o ensino da evolução na sala de aula e num âmbito mais amplo da vida pública.

Referências:

1. Thompson, H. Nature http:dx.doi.org/10.1038/nature.2012.10423 (2012);
2. Xu, X, You, H., Du, K. & Han, F, Nature 475, 465-470 (2011);
3. Kim, S. Y. & Nehm, R. H. Int. J. Sci. Edu. 33, 197-227 (2011).

Traduzido por: Roberto Freire
Texto original: www.nature.com

A Coréia do Sul se rende às demandas do criacionismo

https://ministeriofiel.com.br/artigos/a-coreia-do-sul-se-rende-as-demandas-do-criacionismo/

A cientificidade do criacionismo comparada ao evolucionismo

Há  milênios  que a arqueologia dos relatos criacionistas,  anteciparam  que  grandes modificações nas espécies ocorrem rapidamente sobretudo na transição entre o ambiente antes e depois do dilúvio global ( com suas catástrofes associadas também relatadas em fontes arqueológicas). Testando a falseabilidade destes  relatos arqueológicos (incluindo o bíblico), o criacionismo moderno conseguiu antecipar conceitos de sub especiação em tempo real , defendendo o que foi fartamente chamado de “evolução super rápida” sob risos e zombarias daqueles que defendiam evolução lenta e gradual . Mesmo assim, interessante observar que  evolucionistas construíram  o espantalho do fixismo defendido por leigos na época de Darwin, para justificar até hoje a “falha” do criacionismo em relação ao evolucionismo.  Porém está documentado até pelo próprio Darwin que a maioria dos cientistas criacionistas (muitos deles citados por Darwin) defendiam a plasticidade das espécies originadas de espécies criadas e explicavam portanto o surgimento da biodiversidade desta maneira. Recentemente , as descobertas de  especiações em tempo real ( super rápidas que espantaram evolucionistas) não só confirmaram o modelo curto bíblico  de mudanças rápidas,  mas também  justificam nossa rica biodiversidade a partir de ancestrais básicos criados que surgem prontos no registro fóssil (sem etapas transicionais evolucionárias e variabilidade no registro fóssil onde ficam mais repetidos sua morfologia)  . Por outro lado,  os evolucionistas,  que sempre zombaram da “evolução ultra rápida criacionista” viram super aumentada aquela dívida antiga de fósseis transicionais e de variabilidade morfológica  e especiativa (Sodré, 2017)  no registro fóssil; Se não pagaram daquele jeito, sob modelo de especiação lenta gradualista, que produziria bem menor número de variações , muito menos agora.  Vale aqui lembrar que o modelo evolucionista que prevaleceu de 1859 até hoje pregava transformações lentas e graduais, e falamos que perdura até hoje pois o pontualismo de Gould,  Eldredge et tal ainda está em fase de compreensão e sofre protestos de muitos geneticistas evolucionistas .

Se sob modelo lento e gradualista não pagaram suas altíssimas dívidas de encontrar variações e transições no farto registro fóssil de trilhões de amostras acumuladas por meio bilhão de anos (se consideramos apenas as camadas do fanerozoico) ,  muito menos agora, quando descobrimos na biologia a  especiação rápida e mudanças morfológicas velozes.  Qualquer esperança de possibilidade de pagamento com fatos fósseis fica totalmente  falida.  Consequentemente , a paleontologia moderna que já estava se baseando  mais em simulações de computador do que em fatos fósseis, vai ter que abusar cada vez mais de gráficos de computador para tentar salvar uma teoria já condenada pelos fatos e reduzir a teoria histórica da evolução a mera imaginação dedutiva repleta de criatividade.

Conclusão

Não existe efeito sem causa.